Por Wellington Farias

O governador João Azevêdo não teve muita sorte neste primeiro momento do seu mandato, de modo que, com certeza, não terá como fazer uma gestão dentro das expectativas dos paraibanos que o elegeram, nem nos padrões compatíveis com a sua competência.

Muita coisa que atrapalhou os planos do atual governo aconteceu e estão acontecendo nestes primeiros quatorze meses de gestão.

Para começar, o governo empacou logo no seu início com os primeiros os desentendimentos entre o governador João Azevêdo e o seu antecessor e padrinho político Ricardo Vieira Coutinho. Ali a gestão já dava sinais de desaceleração, o que foi se agravando até o rompimento político definitivo da cria com o criador.

Calvário
Na sequência, as coisas pioraram ainda mais com a Operação Calvário que chegou a provocar profundas mudanças nas principais peças da equipe de governo, algumas delas levadas para a cadeia.

Desde o advento da Operação, a gestão de João Azevêdo viveu em sobressaltos e sufocada pela expectativa, cada vez maior, de outras figuras importantes do Governo, incluindo o próprio governador, pudessem ser fisgadas pela ação devastadora da Operação comandada pelo Gaego. Até hoje, o governo não sossega com a Calvário bafejando no seu cangote.

Pandemia
Como se não bastasse tantos problemas a serem superados, agora veio a pandemia causada pelo coronavírus, que afetou de forma muito acentuada, não só as ações do Governo da Paraíba, como todas as atividades nos setores públicos e privados no mundo inteiro.

Quanto a esta pandemia, o Governo da Paraíba tem reagido com ações efetivas e dentro das recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas nada disso, porém, será o suficiente para recuperar o tempo já perdido.

Mensalidade
O deputado Tião Gomes está defendendo a suspensão da cobrança das mensalidades nos estabelecimentos de ensino superior privados, bem como das creches, escolas e colégios particulares (sejam do ensino fundamental ou médio) estabelecidos no Estado da Paraíba. Para isso, o parlamentar encaminhou um requerimento ao Ministério Público do Estado para que a instituição promova as medidas jurídicas cabíveis ao caso.

Ele alega que, por conta da pandemia do coronavírus, vários estabelecimentos comerciais e industriais foram fechados e a situação financeira de várias famílias, sejam estas constituídas de trabalhadores ou de empregadores, está ficando cada vez mais difícil.

 

Wellington Farias
PB Agora

Por Wellington Farias

Notícias relacionadas

Bruno defende volta de Cássio à cena política: “Tem importância e grandeza”

Bruno Cunha Lima (PSD), prefeito de Campina Grande, defendeu, durante entrevista nesta quinta-feira (13), que o ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) seja candidato nas eleições do ano seguinte. Ele cogita,…

Efraim já contabiliza apoio de 83 prefeitos paraibanos na corrida para o Senado

O deputado federal Efraim Filho (DEM) recebeu o apoio de mais três prefeitos engajados no seu projeto de eleição para o Senado Federal nas eleições de 2022, contabilizando agora a…