Por pbagora.com.br

Um verdadeiro “chiclete”. Para ser bom, ele precisa ser pegajoso, daqueles que você ouve uma vez e nunca mais esquece. O ritmo não importa, contanto que seja marcante. O bom jingle eleitoral segundo especialistas deve servir como ponte entre o candidato e o eleitor. Empolgante, deve falar sobre uma vitória que já é certa, e induzir o eleitor a lembrar-se da música e consequentemente do número do candidato na hora da votação. Na Paraíba, os hits do forró de pisadinha, é o ritmo do momento e mais pedido pelos candidatos para embalar os jingles em 2020.

Segundo Paulo de Tarso, publicitário e especialista em campanhas eleitorais, fonte de inspiração de um bom jingle pode até variar, mas sua importância não. “Você imagina uma campanha militar que não tenha um hino, uma marcha, que faça os soldados caminharem para a guerra com mais força. O jingle é um pouco isso quando, de fato, ele se torna universal. Ele mobiliza a militância, o povo, em geral, e os candidatos no sentido mais completo”, afirmou.

Dea cordo com ele, um jingle bem feito pode não só ajudar um candidato a se tornar conhecido, mas a entrar para a história. Os mais velhos, por exemplo, devem se lembrar do famoso ‘Varre, varre, vassourinha’, que embalou a campanha do ex-presidente Jânio Quadros, na década de 1960.

O produtor musical e radialista em Teixeira de Freitas, Patrik Reis, afirma que a ideia de muitos concorrentes aos cargos públicos é surfar nos hits que estão em alta no momento. São os verdadeiros camaleões musicais. “Têm aqueles que gravaram o sucesso de um ano e querem um novo hit. Por exemplo, o cara que gravou Wesley Safadão há quatro anos, esse ano está gravando Barões da Pisadinha”, exemplifica. A cena que já foi dominada pelo sertanejo e o arrocha, por exemplo, hoje pertence ao forró de pisadinha, o ritmo do momento e mais pedido pelos candidatos para embalar os jingles em 2020. Patrik conta que grava cerca de dez jingles de pisadinha por dia. “É muita pisadinha”, brinca.

O produtor musical, Patrik Reis explica que uma das funções mais importantes do jingle é “massificar” o nome e o número do candidato. Esses elementos simples combinados ao ritmo certo podem fazer o hit estourar. “Se o cara tem um nome e números fáceis, isso faz com que a música dentro do ritmo certo vire chiclete, todo mundo começa a cantar e aí fica martelando na cabeça”.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeita eleita de Conde protocola no TCE/PB denúncia contra gestão Márcia

A equipe de transição indicada pela prefeita eleita do município de Conde-PB, Karla Pimentel, protocolou no tribunal de Contas do Estado da Paraíba, na manhã desta quarta-feira, 02/12/2020, denúncia em…

Análise: mesmo na pandemia, Cícero abarca requisitos que o projetam para uma gestão melhor que a de Cartaxo

Está tranquilo e está favorável. Apesar de o cenário ser de pandemia, o que tem preocupado muitos gestores ao redor não apenas da Paraíba, mas também do mundo inteiro, o…