Por pbagora.com.br

Ao analisarem os efeitos da Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) o presidente do TCE-PB, conselheiro Arnóbio Viana e o advogado especialista em Direito Eleitoral, Harrison Targino tem posições distintas sobre o papel do TCE e das Câmaras municipais.

Enquanto o Arnóbio Viana elogiou a mudança da realidade a nova modalidade de comunicação com os gestores – por meio dos chamados alertas – instituída pelo ex-presidente André Carlo Torres, dentro do Processo de Acompanhamento da Gestão em tempo real, destacando que esses alertas servem para corrigir o rumo de atos das gestões, que podem significar problemas para a aprovação da prestação de contas no futuro. Ainda segundo Viana, os próprios gestores, que te ajudado eles se prevenirem e corrigirem falhas verificadas pelo TCE-PB nos atos de gestão, quase em tempo real.

Já para Harrison Targino, a Lei das Inelegibilidades fala em aprovação ou rejeição de contas, mas ele lembra que quem julga contas de prefeitos são as Câmaras dos vereadores. “A Câmara pode seguir ou não o parecer do Tribunal de Contas. Caso confirmem a reprovação, se aplica o previsto no art.1º, I, “g”, da Lei das Inelegibilidades. A Inelegibilidade será de 8 anos, contados a partir da data da decisão”, comentou o advogado.

 

Redação

Notícias relacionadas

Esquerda forma frente anti-Bolsonaro que pode virar aliança para 2022 na Paraíba

Quem pensar que os partidos de esquerda estão desarticulados entre si, na Paraíba, está enganado. Há mais de dois meses, sete deles – PT, PSB, Psol, PC do B, UP,…

PB recebe medicamentos do ‘kit intubação’ doados pelo Governo da Espanha

O Ministério da Saúde começou a distribuição de medicamentos do ‘kit intubação’ doados pelo Governo da Espanha. A Paraíba vai receber 4.785 unidades. Também foram autorizadas instalações de leitos de…