Eis uma ideia bastante popular, particularmente entre a direita e alguns liberais: se um indivíduo é bem-sucedido no mundo empresarial, então ele possui o conhecimento necessário para tomar decisões sábias e sensatas em termos de política econômica, sendo, portanto, uma ótima escolha para a presidência da república.

Para o cientista político e professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Lúcio Flávio, o Brasil em geral, e a Paraíba em particular, precisa alcançar muito em termos de modernização e impessoalidade na política.

Segundo ele, na Paraíba, grupos familiares e sua clientela ainda dominam na grande maioria dos municípios. “Acredito que temos muito ainda para avançar. No próximo ano, quando teremos eleições para prefeito e vereadores, ainda prevalecerá a forma tradicional de fazer política: o clientelismo, a força das máquinas públicas e a cooptação de lideranças de bairros mediante o oferecimento de empregos. Sem falar na compra de votos! Creio que, apesar do desejo da maioria da população por mudanças, a política neocoronelística será a prática predominante”, disse o Lúcio Flávio ao analisar o processo político atual na Paraíba.

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Já são três os secretários de Romero que miram disputa pela PMCG

A disputa eleitoral da Prefeitura Municipal de Campina Grande em 2020 deve dividir a base do prefeito Romero Rodrigues (PSD). Pelo menos três secretários de Romero garantem que são pré…

Vereadora afirma que “pessoal de esquerda só pensa em sexo”

Os intensos debates entre as vereadoras Eliza Virgínia (PSDB) e Sandra Marrocos (PSB), que acontecem com frequência na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), ganharam mais um episódio nesta terça-feira…