Por pbagora.com.br

Vacina será oferecida pelo SUS a partir de 2010 e vai imunizar mais de 3
milhões de crianças por ano*

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, vai assinar nesta sexta-feira
(25/09), na Inglaterra, contrato com a empresa GlaxoSmithKline (GSK) para a
produção da vacina pneumocócica conjugada. A informação é do deputado
federal Manoel Junior (PSB-PB), membro da comitiva do Ministério da Saúde na
missão oficial de cooperação bilateral Brasil-Reino Unido na área da Saúde.

A vacina pneumocócica protege a criança contra a meningite e a pneumonia
causadas pelo pneumococo e fará parte do Programa Nacional de Imunizações
(PNI) a partir de 2010.

O deputado Manoel Junior, que é médico, vive a expectativa de ver mais uma
de suas propostas atender à população brasileira. O parlamentar é o autor do
Projeto de Lei (PL) 1793/07, que inclui a vacina pneumocócica no Calendário
Básico de Vacinação Infantil do Sistema Únicos de Saúde (SUS).

De acordo com Junior, atualmente, a vacina está disponível apenas na rede
privada de Saúde e cada dose custa cerca de R$ 500, o que é praticamente
impagável para a maioria da população brasileira.

“A distribuição gratuita dessa vacina vai garantir, efetivamente, o caráter
universal e igualitário do direito à saúde, evitando cerca de dez mil óbitos
por ano. É uma medida para proteger a vida das nossas crianças”, completou o
deputado.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que nos países
em desenvolvimento, o pneumococo seja responsável por mais de 1 milhão de
óbitos por ano em crianças menores de 5 anos.

*Produção*

O imunizante será fabricado no Laboratório Biomanguinhos da Fundação Oswaldo
Cruz (Fiocruz). A instituição entregará a cada ano 13,1 milhões de doses,
quantidade suficiente para imunizar os 3,2 milhões de bebês que nascem por
ano.

A tendência é que a vacina seja distribuída em quatro doses: aos 2, 4 e 6
meses de idade, além de reforço por volta do 1º aniversário.

*Missão Oficial*

Na chegada a Inglaterra, o ministro e toda a comitiva foram recebidos pelo
Embaixador do Brasil em Londres, Carlos Augusto Rego Santos Neves. Além de
Manoel Junior, único deputado presente na missão, participam também: o
Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Dirceu
Raposo; o Secretário de Atenção à Saúde, Alberto Beltrame e o Secretário de
Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Reinaldo Guimarães, entre
outros.

A comitiva tem participado de várias reuniões de trabalho e de debates em
torno de temas como: Saúde Global e Políticas Externas; Oportunidades para
investir no setor de saúde brasileiro e Medicamentos Genéricos no Brasil –
crescimento, conquistas e desafios.

Houve, também, reunião com técnicos na embaixada do Brasil e do Ministério
de Relações Exteriores britânico (FCO).

Na quarta, os brasileiros visitaram a Chatham House, lar do Instituto Real
de Relações Internacionais, que tem a missão de debater idéias fortes sobre
como construir um mundo próspero e seguro para todos.

Na quinta, ocorreu reunião no Departamento de Saúde com o secretário de
Saúde britânico, Andy Burnham. Em seguida a comitiva visitou o King’s
College Hospital, para conhecer o sistema integrado e informatizado de Saúde
daquela unidade de saúde.

“Foram dias de trabalho intenso, mas sabemos que o Brasil vai colher os
frutos dessa missão. Voltamos para casa com a certeza de que várias
oportunidades vão surgir a partir de agora”, afirmou o deputado.

Na sexta-feira, será assinado o acordo com a GlaxoSmithKline para a produção
da vacina pneumocócica, que vai integrar o PNI a partir de 2010.
 

Notícias relacionadas

Ruy se mostra contra aumento de 69% do salário de servidores federais

“Quero falar sobre um assunto que deixa a todos nós indignados”, assim o deputado federal Ruy Carneiro, iniciou um debate acerca da portaria que autoriza uma parcela de servidores federais…

Opinião: a direitona busca mesmo é um candidato para chamar de “centro”

Lula e Bolsonaro não são, necessariamente, opostos. Pelo menos opostos na mesma proporção, não! Bolsonaro é de extrema-direita, reacionário. Lula é de centro-esquerda e progressista. Bolsonaro rechaça o diálogo; é…