Os principais programas oficias de transferência de renda pagarão neste ano algo como 72 milhões de benefícios, um aumento na casa de 180% sobre os 25 milhões contabilizados em 1995, no primeiro ano do governo FHC.

 

De lá para cá todos os governos multiplicaram os gastos e o alcance de programas como aposentadorias, pensões, auxílios, seguro-desemprego, abono salarial, Bolsa Família e assistência a idosos e deficientes. Clique abaixo para ver a multiplicação dos benefícios.

 

O número de benefícios não corresponde exatamente ao de beneficiários, porque uma mesma pessoa pode receber recursos de diferentes programas.

 

Ainda assim, é o suficiente para demonstrar o aumento do peso dos pagamentos feitos pelo governo na renda do país. No mesmo período de 18 anos, a população brasileira cresceu 26%.

 

A expansão dos programas e dos gastos ganhou impulso a partir do governo FHC, com o fim da hiperinflação (antes, os benefícios perdiam valor rapidamente) e a criação dos atuais benefícios a idosos e deficientes.

 

Lula lançou o Bolsa Família, cuja ampliação continuou no governo Dilma Rousseff. Também disparou, na administração petista, o número de beneficiários do seguro-desemprego e do abono salarial, graças à maior quantidade de trabalhadores com carteira assinada.

 

A transferência de renda às famílias é hoje a principal atribuição do governo federal: representa cerca de 45% das despesas totais, excluindo da conta os encargos com a dívida pública (que não são gastos voluntários).

 

Veja mais no infográfico da Folha

Folha de São Paulo

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

STF retém ação contra “quadrilhão” do PP que envolve o deputado Aguinaldo Ribeiro

Um ano após aceitar a denúncia, o Supremo Tribunal Federal adota um vaivém burocrático e retém a ação contra o chamado “quadrilhão do PP”, referência ao Partido Progressistas, em cuja…

Análise: imprensa hostilizada e a força de Cícero Lucena e Ricardo Coutinho a prefeito de JP

É preciso entender que, ao citar determinadas pessoas, siglas partidárias ou todo um cenário hipotético da política interna ou externa, o jornalista não está necessariamente contra ou favorável a “A”…