Por pbagora.com.br

Os vitoriosos da disputa, amanhã, pelas presidências da Câmara e do Senado, vão assumir o comando do Congresso com orçamento de R$ 5,9 bilhões para assegurar o trabalho dos 594 parlamentares e gerenciar uma verdadeira “cidade”.

Os recursos reservados para bancar com o custo médio mensal de R$ 114.880,44 por deputado e de R$ 35.312,09 por senador são maiores que os orçamentos aprovados por oito Estados do Norte e do Nordeste. São superiores até mesmo à soma dos orçamentos do Acre e do Amapá, que contam neste ano com R$ 3 bilhões e R$ 2,4 bilhões, respectivamente.

No entanto, a eleição coloca em jogo muito mais que a disputa por um orçamento bilionário e o controle de 21,3 mil funcionários. Ao ditar o ritmo de votações e discussões da Câmara e do Senado, os comandantes das duas Casas podem interferir na eleição presidencial de 2010.

Se as matérias de interesse do governo forem colocadas em pauta, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá mais facilidade de emplacar seu sucessor. Por outro lado, se as propostas não andarem, a oposição ganha força e argumentos para endurecer o discurso de que é necessário mudar, avaliam petistas e tucanos.

JC OnLine

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Damião Feliciano antecipa 2022: “O nosso lado é o do governador do Estado”

O deputado federal Damião Feliciano evitou antecipar os objetivos do PDT, sigla da qual faz parte, para as eleições de 2022, quando a Paraíba votará para presidente, senadores, deputados estaduais…

Mídia nacional destaca favoritismo de Cícero Lucena no 2º Turno em João Pessoa

Em texto publicado pelo jornalista João Pedro Pitombo, na Folha de São Paulo, o candidato à Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Cícero Lucena, do PP, é colocado como favorito…