Um eleitor foi detido pela Polícia Militar, em Campina Grande, tentando filmar seu voto, o que é vedado pela legislação eleitoral.

Os mesários informaram que perceberam a movimentação e acionaram às autoridades, que conduziu o jovem à sede da Polícia Federal na cidade. 

O episódio foi registrado no Colégio Estadual da Prata, um dos maiores colégios eleitorais da região.

ENTENDA

Em razão da disseminação de vídeos e fotos com supostas irregularidades nas urnas eletrônicas, pelas redes sociais e aplicativos de bate-papo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou um comunicado alertando que é crime filmar ou fotografar o voto.

"Quem registrar o voto com máquinas fotográficas, filmadoras, e telefones celulares poderá ser multado em até R$ 15 mil e até mesmo ser preso. A lei visa preservar o sigilo do voto, e caso esse sigilo seja quebrado, o eleitor pode ser detido por até 2 anos", adverte a Corte eleitoral.
 

 

PB Agora

 


Saiba mais sobre Certificação Digital no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ex-presidente do PSL/SE acusa Julian de integrar complô na sigla e trair Bolsonaro

Em entrevista bombástica concedida ao programa Arapuan Verdade, na tarde desta terça-feira (22), o ex-presidente do PSL de Sergipe, João Tarantela acusou o deputado federal paraibano, Julian Lemos (PSL) de…

Julian desqualifica acusações de ex-dirigente do PSL/SE: “Não é ninguém”

O deputado federal Julian Lemos, do PSL/PB, reagiu, nesta terça-feira (22), às declarações do ex-presidente do PSL de Sergipe, João Tarantela, contra ele – sobre um suposto complô na legenda…