Em entrevista recente a imprensa de Campina Grande, a pré-candidata à prefeitura de Campina Grande e atual secretária de Desenvolvimento e Articulação dos Municípios (Sedam), Ana Cláudia Vital do Rêgo respondeu questionamentos sobre se sentir ou não preparada para o desafio para a disputa. Sem titubear Ana, respondeu que o projeto que representa é uma proposta técnica e que não tem receio de debater com qualquer que seja os postulantes sobre os rumos para o desenvolvimento da cidade.

“Não tenho problema algum em debater com Cássio ou qualquer um deles”, disse Ana Cláudia. Veja o vídeo: https://youtu.be/KKKTr5YinxQ

Para Ana Cláudia, o momento é de reorganizar e planejar a cidade, construindo um programa com a sociedade-civil organizada que discuta e aponte soluções para o município, dentre as quais a formulação de um calendário de retomada das obras paralisadas, identificando recursos para a conclusão dessas obras. “Está na hora de a cidade voltar a ter uma gestão que a administre, tendo um olhar para as pessoas. Nós precisamos, por exemplo, sair dessa crise que Campina está, com baixos índices sociais registrados, como os da edição 2019 do Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF), que apontou a cidade em uma situação critica no tocante à gestão fiscal e aos Investimentos, na posição 4.517, dentre os 5.337 municípios brasileiros pesquisados. Ou mesmo os dados do levantamento feito pelo anuário Multi-Cidades, realizado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que mostrou Campina como a cidade do interior do Nordeste que apresentou a maior queda nos investimentos, em 2018.”

Ana Cláudia lembrou que o atual prefeito de Campina mantém Unidades Básicas de Saúde sem médicos e medicamentos, acabou com o Terminal de Integração, anunciou em 2017 um Hospital da Criança e do Adolescente, com supostos recursos da privatização do São João, que não sai do papel, abandonou a Vila Olímpica Plinio Lemos e o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), o Centro Administrativo e muito mais ações prejudiciais à população. Sem falar nas obras iniciadas na gestão anterior que não foram continuadas, a exemplo de creches e da segunda Vila Olímpica.

“Parece que o atual prefeito tem uma fixação em acabar com as obras importantes deixadas por Veneziano. Em Campina Grande não ocorre concursos públicos, diferente, por exemplo, do que faz o governador, que em poucos meses de mandato já anunciou concursos com vagas para professores, agentes socioeducativos, brevemente anunciará para a Procuradoria e Aesa. Essa gestão de Campina Grande tem um verdadeiro atestado de incompetência”, afirmou Ana Cláudia.

Ela lembrou ainda o abandono da atual gestão para com obras como a do Canal da Ramadinha, Canal do Bodocongó e a do Canal da Santa Rosa, além da continuidade nas obras de seis creches paradas desde o começo de 2013 e da revitalização da Feira Central. Ana disse que para chegar à ‘Campina que Queremos’ é preciso um projeto sem radicalismos, que escute e observe as maiores demandas da cidade e que, conjuntamente, busque as parcerias necessárias para a realização destas demandas, sem deixar obras paralisadas por terem sido iniciadas por adversários.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bolsonaro precisa fazer eletrocardiograma todo dia por uso da cloroquina

Apesar de garantir que está “perfeitamente bem” no tratamento contra a covid-19, por tomar doses de hidroxicloroquina, o presidente Jair Bolsonaro precisa de avaliações cardiológicas devido ao uso do medicamento.…

Assessor da Presidência com páginas derrubadas por fake é paraibano

Após uma ampla investigação coordenada pela direção da plataforma do Facebook e Instagram divulgada na última quarta-feira (08), que retirou diversas paginas destas redes sociais, foi descoberto que os grupos…