A Paraíba o tempo todo  |

Eleição bi-polarizada entre PMDB e PSDB pode tirar Daniella

2012: eleição bi-polarizada entre PMDB e PSDB em CG pode tirar Daniella Ribeiro do páreo, prevê analista político

O marqueteiro e analista político, Alan Kardec, fez uma previsão reveladora em sua coluna, no portal PB Agora, no que diz respeito a disputa pela Prefeitura de Campina Grande em 2012.

Em breve análise, o marqueteiro aponta como iminente a queda da deputada Daniella Ribeiro (PP) nas pesquisas de intenção de voto no próximo pleito. Tudo porque, segundo o marqueteiro, a eleição será bi-polarizada pelos candidatos dos dois principais partidos da política paraibana – PMDB e PSDB, através dos nomes de Tatiana Medeiros e Romero Rodrigues.


Confira a análise do marqueteiro:

Os históricos eleitorais de Campina Grande e da Paraíba mostram que nosso eleitorado nem sempre aposta numa terceira candidatura, a famosa terceira via. E não é só no âmbito local. Se analisarmos as últimas disputas presidenciais veremos uma forte bipolaridade entre o PSDB e o PT desde 1994. Parece até que vivemos num sistema bipartidário.

Com exceção da desastrosa ex-prefeita Cozete Barbosa, em 2004, o eleitor campinense nunca apostou numa terceira via, definindo as eleições entre dois candidatos. Vale lembrar que em 2004 Cozete Barbosa tinha a máquina municipal para temperar a sua campanha. Sem isso, Cozete deixaria de ser a exceção nessa análise.

Sem grupo político, mas com tradição familiar, a deputada e pré-candidata Daniella Ribeiro corre o risco de sobrar na curva. Hoje Daniella possui nas pesquisas de opinião um voto que não lhe pertence. É o voto do eleitor de Veneziano, que até pouco tempo, órfãos de um candidato com potencial para derrotar o tucano Romero Rodrigues, estavam simpáticos à candidatura de Daniella.

Mas com o lançamento não oficial da candidatura da secretária de Saúde Tatiana Medeiros, o voto dos simpatizantes da gestão de Veneziano tende a migrar para a possível sucessora do prefeito. Sendo assim, Daniella ficará sem espaço numa campanha disputada entre Oposição e Situação.

Na entrevista concedida ao jornalista Luis Torres, no Conexão Arapuan, Daniella sentiu dificuldades em se posicionar sobre os assuntos político-administrativos de Campina. Ou seja, faltou posicionamento. E sem posicionamento eleitoral qualquer candidato fica enfraquecido. Daniella não disse se é a favor ou contra o governo Veneziano. E isso deixa o eleitor confuso.

Pode acontecer com Daniella o mesmo que aconteceu com Geraldo Alckmin em 2008 na eleição paulistana. Candidato contra a vontade de Serra (que apoiara Kassab), Alckmin começou a campanha disputando o primeiro lugar com a Marta Suplicy. Mas não tinha discurso nem de oposição nem de situação, pois o PSDB era da base do prefeito. Não tinha posicionamento. Resultado: foi ultrapassado pelo neófito Kassab e terminou a eleição em terceiro lugar.

Fora isso, a falta de grupo político pode atrapalhar a candidatura da deputada Daniella. Como fazer uma campanha numa cidade do porte de Campina Grande sem ter um grupo de vereadores, líderes comunitários, sindicatos, associações e deputados? Fica difícil quebrar a dicotomia Romero (oposição) X Tatiana (situação) acreditando apenas na boa vontade do eleitor. É muito romantismo. Tatiana terá Veneziano como padrinho. Já Romero terá Cássio. E Daniella?

A queda de Daniella Ribeiro nas pesquisas é inevitável. Questão de tempo.

Clique aqui e veja o conteúdo na íntegra

PB Agora
 

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe