Com evasão de 37 deputados e filiação de dez, o DEM foi o partido que teve a maior perda na Câmara desde 2007. A sigla hoje negocia a entrada de até 12 deputados na sua bancada de 29 parlamentares, e é uma das mais interessadas na antecipação da janela partidária.

 

Após a filiação do senador Fernando Bezerra (PE) ao PMDB e as abordagens pelo partido ao deputado Marinaldo Rosendo (PSB-PE), a disputa por outros dissidentes do PSB causou conflito com o partido do presidente Michel Temer. O líder do partido na Câmara, Efraim Filho (PB), chamou as atitudes do PMDB de "mesquinhas" e disse que os "rumos definidos" do DEM "falam mais forte que a caneta do PMDB". O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também reclamou do assédio do PMDB.

"Gerou um desconforto, um ruído. Não é o tratamento que um aliado espera receber. Parece que o PMDB acredita que a agenda do partido é maior que a agenda do Brasil", disse Efraim Filho. "Essas atitudes mesquinhas do PMDB acabam fragilizando (o apoio do DEM)".

O líder do partido diz que o DEM "foi o único partido a dar 100% dos votos a favor da reforma trabalhista". "Nem dentro do PMDB o governo conseguiu essa lealdade, e é essa a resposta que recebemos", afirmou. Efraim Filho, porém, nega que o desconforto terá alguma influência sobre a votação da segunda denúncia de Temer na Câmara. "Vamos analisar com base nos fatos".

Em entrevista a imprensa nacional nesta semana, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), disse que Maia "está mal informado" e que o partido não está "assediando" ninguém. (O PMDB) É uma marca muito forte que atrai muita gente", disse Jucá.

O PSD, em contrapartida, foi a sigla que mais recebeu deputados desde 2007. Foram 74 filiações de parlamentares na Câmara neste período e 21 saídas. A sigla foi criado em 2011 pelo ministro da Ciência e Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab, após se desligar do DEM. O partido já começou com uma bancada robusta de 28 deputados, a maioria egressa do DEM, como o hoje líder Marcos Montes (MG).

Enquanto Efraim Filho atribui à fundação do PSD a debandada dos parlamentares do DEM "para aderir ao governo Dilma (Rousseff, de quem Kassab foi ministro)", Montes diz que a migração aconteceu por uma divergência de lideranças no partido de Maia. "ACM Neto (hoje prefeito de Salvador) quis disputar a liderança do partido na Câmara de novo e isso acabou sendo a gota d’água para alguns parlamentares, como eu", lembra.

Apesar de ser pessoalmente contra a janela partidária, Montes prevê que a medida atraía mais deputados à sigla, "seja em março ou ainda neste ano". Sem citar nomes, o líder conta que tem negociado a filiação de descontentes do PSB – partido que causou o atrito entre as siglas de Maia e Temer.

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

ANÁLISE – Novo partido para João: todo mundo quer, mas é ele quem decidirá sua futura sigla

A democracia, a livre expressão de opiniões, o direito ao tão propalado contraditório é regra básica para o bom convívio dos pares e ímpares. E tal premissa vale, de maneira…

Adriano volta a pregar a paz no PSB e união de RC e João Azevêdo

Ainda sobre o imbróglio político que envolveu o Partido Socialista Brasileiro (PSB), o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB), voltou a defender o restabelecimento…