A CPI do Feminicídio,que  teve como base o Requerimento 69/2019, de autoria da deputada Cida Ramos (PSB), foi instalada nessa terça-feira (21), na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

O objetivo é  apurar, debater e indicar políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulheres no estado.

De acordo com Cida, é inadmissível que com todas as conquistas e avanços da humanidade, ainda exista tamanha violência e falta de respeito contra a mulher.

"É inadmissível que a humanidade tenha avançado tanto em termos de direitos civis, políticos e sociais e a gente não consiga respeitar uma mulher pelo fato dela ser mulher. Então, a gente precisa ouvir a Secretaria da Mulher, que tem toda uma discussão e um acúmulo sobre a temática. Tenho certeza que o objetivo daqui é que a gente contribua também para que o Governo do Estado aumente o orçamento da Secretaria, para que mais políticas públicas possam vir”, afirmou.

O deputado Anísio Maia (PT), também destacou que a CPI pode contribuir em conjunto com outros Poderes para a diminuição dos casos de violência contra a mulher.

“É uma problemática muito séria e que precisa de uma atenção especial. A Casa agora vai se debruçar sobre o tema e apurar causas e efeitos para, inclusive, sugerir ao Poder público e, até mesmo, à própria Assembleia, a tomar algumas iniciativas para atacar esse problema gravíssimo”, declarou.

Plano de Trabalho
 
Após a instalação, a deputada Cida Ramos apresentou um plano de trabalho da Comissão, elencando objetivos, metodologia e cronologia que serão adotados. Dentre as prioridades de ações, a CPI deverá investigar os casos de feminicídio na Paraíba; relacionar o número de casos com as medidas protetivas aplicadas no estado; os casos de feminicídio investigados já sentenciados; e identificar se as mulheres vítimas de feminicídio receberam algum atendimento ou acompanhamento pela rede de proteção.
 
Consta ainda no documento que as atividades da Comissão ocorrerão a cada 15 dias, através de oitivas com a sociedade civil organizada, especialistas e estudiosos no assunto, autoridades, gestores da área e sistema de justiça. Também acontecerão reuniões de trabalho; audiências públicas regionalizadas nas 14 regiões geoadministrativas do estado, com os prefeitos dos municípios e na Assembleia Legislativa, em parceria e consonância com a Comissão dos Direitos da Mulher; visitas técnicas em instituições e serviços de proteção e defesa a mulheres vítimas de violência; diligências; requisição de documentos; requerimentos; relatórios e estudos de caso.

PB Agora

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Efraim Filho faz leitura do relatório da MP do crédito e garante emprego e renda

O deputado Efraim Filho (DEM/PB) relator da MP 975 leu, nesta quarta-feira (08), o substitutivo que cria o Programa Emergencial de Acesso ao Crédito com objetivo de dar suporte financeiro…

Presidente do PT-PB aposta na “união das forças contra o fascismo”, em CG no 2º turno

“União das forças contra os representantes do fascismo”, esse é o pensamento do presidente estadual do PT-PB Jackson Macedo, quando indagado sobre as eleições municipais em Campina Grande nestas eleições,…