A CPI do Feminicídio,que  teve como base o Requerimento 69/2019, de autoria da deputada Cida Ramos (PSB), foi instalada nessa terça-feira (21), na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

O objetivo é  apurar, debater e indicar políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulheres no estado.

De acordo com Cida, é inadmissível que com todas as conquistas e avanços da humanidade, ainda exista tamanha violência e falta de respeito contra a mulher.

"É inadmissível que a humanidade tenha avançado tanto em termos de direitos civis, políticos e sociais e a gente não consiga respeitar uma mulher pelo fato dela ser mulher. Então, a gente precisa ouvir a Secretaria da Mulher, que tem toda uma discussão e um acúmulo sobre a temática. Tenho certeza que o objetivo daqui é que a gente contribua também para que o Governo do Estado aumente o orçamento da Secretaria, para que mais políticas públicas possam vir”, afirmou.

O deputado Anísio Maia (PT), também destacou que a CPI pode contribuir em conjunto com outros Poderes para a diminuição dos casos de violência contra a mulher.

“É uma problemática muito séria e que precisa de uma atenção especial. A Casa agora vai se debruçar sobre o tema e apurar causas e efeitos para, inclusive, sugerir ao Poder público e, até mesmo, à própria Assembleia, a tomar algumas iniciativas para atacar esse problema gravíssimo”, declarou.

Plano de Trabalho
 
Após a instalação, a deputada Cida Ramos apresentou um plano de trabalho da Comissão, elencando objetivos, metodologia e cronologia que serão adotados. Dentre as prioridades de ações, a CPI deverá investigar os casos de feminicídio na Paraíba; relacionar o número de casos com as medidas protetivas aplicadas no estado; os casos de feminicídio investigados já sentenciados; e identificar se as mulheres vítimas de feminicídio receberam algum atendimento ou acompanhamento pela rede de proteção.
 
Consta ainda no documento que as atividades da Comissão ocorrerão a cada 15 dias, através de oitivas com a sociedade civil organizada, especialistas e estudiosos no assunto, autoridades, gestores da área e sistema de justiça. Também acontecerão reuniões de trabalho; audiências públicas regionalizadas nas 14 regiões geoadministrativas do estado, com os prefeitos dos municípios e na Assembleia Legislativa, em parceria e consonância com a Comissão dos Direitos da Mulher; visitas técnicas em instituições e serviços de proteção e defesa a mulheres vítimas de violência; diligências; requisição de documentos; requerimentos; relatórios e estudos de caso.

PB Agora

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Julian Lemos diz que informação sobre lista negra de Bolsonaro é ‘fake news’ e critica jornal

O deputado federal Julian Lemos, após o Jornal O Globo afirmar que ele estaria ‘numa lista negra’ do presidente da República Jair Bolsonaro, afirmou que a informação é uma ‘fake…

“Triste e lamentável”, define Hervázio sobre participação de presidente nacional do PSB no imbróglio da sigla na PB

O impasse interno no PSB da Paraíba, que ainda não foi resolvido, parece ter piorado após a “intervenção” do presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira. Com autoridade para resolver o…