Fontes palacianas informaram ao PBAGORA que o caminho é sem volta. “Está rompido”, disse um interlocutor que não quis se identificar, referindo-se ao rompimento entre o ex-governador Ricardo Coutinho e seu sucessor, João Azevêdo.

De um lado está o grupo de infantaria de Ricardo Coutinho, do outro, um novo grupo que se forma tendo como líder maior João Azevêdo, que agora conta com  Edvaldo Rosas – destituído da presidência do PSB – como comandante.

Nos últimos dias a imprensa vinha registrando diversas trocas de farpas e algumas insatisfações eram percebidas dentro do ambiente dos girassóis. O chamado fogo amigo. “O estopim foi a manobra de Ricardo em tomar o partido de um companheiro fiel, como Rosas”, asseverou a fonte.

A fonte ainda informou que o presidente Nacional do PSB, Carlos Siqueira, teria ligado para o governador Azevêdo a fim de comunicar a intervenção.

Siqueira também teria convidando Azevêdo para ir à Brasília discutir o assunto, porém o governador se comportou como partidário e deixou o presidente a vontade para tomar a decisão. “O general maior, se trocando com um soldado”, disse o interlocutor, referindo-se a Coutinho e Rosas, respectivamente.

Seria o fim definitivo da atual oposição e o nascimento de uma nova capitaneada por Ricardo Coutinho? Quem João Azevêdo apoiará para prefeito de João Pessoa em 2020?

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

PBAGORA

 

Total
31
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vereador prevê que descaso de Cartaxo deve levar a greve de categorias em JP

O vereador líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa, Marcos Henriques (PT), em discurso ontem (18), na tribuna da Casa, previu a de deflagração de uma greve dos…

Agenda: Aguinaldo se divide entre prefeitos e Reforma Tributária

O deputado federal e líder da Maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) vem mantendo uma agenda bastante atribulada em Brasília. Em recente reunião com os prefeitos paraibanos que estão na…