Dois dias após o Tribunal de Contas da União (TCU) ter recomendado a paralisação de sete obras por indícios de irregularidades graves, sendo quatro delas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a presidente Dilma Rousseff disse, em entrevista a rádios locais em Pelotas (RS), achar “um absurdo” parar projetos em andamento. Ela deu a declaração em resposta a uma pergunta sobre a conclusão da BR-448, uma das sete obras apontadas pelo TCU com indícios de superfaturamento, na parte de implantação e pavimentação.

— Eu acho um absurdo paralisar obra. Você pode usar vários métodos, mas paralisar obra é uma coisa extremamente perigosa porque ninguém depois repara o custo. Se houve algum erro por parte de algum agente que resolveu paralisar, não tem quem repare, a lei não prevê. Se você para por um ano, se você para por seis meses, por três meses, ninguém te ressarce depois. De qualquer jeito, essa obra (BR-448) vai ficar pronta — afirmou a presidente.

 

Dilma confirmou que deve participar da inauguração da rodovia, na Região Metropolitana de Porto Alegre, apesar da recomendação do TCU.

— Eu não perco a inauguração por nada. É um resgate da segurança. Encerrou uma polêmica e é emblemática para qualquer governo que sabe o que cada cidade precisa, não tem nada a ver com eleição — disse em relação à obra, que servirá para desafogar o trânsito na BR-116, uma das mais perigosas do estado.

 

A presidente disse também que não concorda com a tese dos prefeitos de que houve redução na divisão do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).
— Pelos dados que a gente tem, fica claro que o fundo cresceu ,inclusive, acima da inflação. Foi de 7,4% o crescimento do FPM. (Depois da marcha dos prefeitos) Nós liberamos R$ 3 bilhões para custeio dos municípios, sendo que a primeira parcela de R$ 1,5 bilhão foi distribuída em setembro. E mais um R$1,5 bilhão que eles receberão agora em abril. Além disso, o governo vem fazendo um grande esforço em garantir que os municípios tenham recursos, que não são do FPM. São contribuições diretas — afirmou Dilma, citando como contribuições os repasses aos municípios garantidos pelo Bolsa Família e pelo programa Mais Médicos.

 

A presidente está no Rio Grande do Sul para participar da cerimônia de inauguração da plataforma P-58, construída pelo consórcio Quip em Rio Grande. Depois da entrevista, dada a uma rádio de Pelotas e a outra de Porto Alegre, a presidente foi para a cidade e encontrou operários no Estaleiro Rio Grande, onde a Petrobras também constrói estruturas de produção de petróleo para o pré-sal.

De macacão laranja, a presidente posou para fotos com os trabalhadores e deu atógrafos em camisetas e agendas.

 

O Globo

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Luciano Cartaxo leva “puxão de orelhas” em público de Damião durante encontro

Um encontro em Brasília entre o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV) e bancada paraibana no Congresso Nacional, na última terça-feira (8),  resultou num puxão de orelha para o…

“Tudo vai depender da situação de cada município”, diz Wilson sobre efeitos das mudanças em 2020

Indicado pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, como o coordenador  no Nordeste  responsável pelas eleições municipais de 2020, o deputado federal paraibano e presidente estadual do PTB Wilson Santiago,…