A presidente eleita, Dilma Rousseff, chamou Antonio Palocci Filho, um dos coordenadores da transição, para integrar seu governo. Segundo a Folha apurou, a petista convidou o ex-ministro da Fazenda para comandar a Casa Civil na semana passada, mas ele avalia a possibilidade de ir para a Secretaria-Geral da Presidência.

Isso porque a pasta, comandada por Dilma durante quase cinco anos, se tornará um órgão de estrito assessoramento da Presidência da República, ao passo que a Secretaria assumirá funções mais políticas. A avaliação entre membros da equipe de transição é de que Palocci, considerado um habilidoso negociador político, seria melhor aproveitado na Secretaria-Geral.

A Casa Civil deve ser desidratada de algumas atribuições executivas, como a gestão do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que deve passar ao guarda-chuva do Ministério do Planejamento.

Dilma anunciará hoje os nomes de sua equipe econômica. Para o Banco Central foi escolhido Alexandre Tombini (atual diretor de Normas do BC). Guido Mantega continuará à frente da Fazenda. Hoje coordenadora do PAC, Miriam Belchior irá para o lugar de Paulo Bernardo no Planejamento. Já Bernardo deve assumir, ao lado de Antonio Palocci, uma das duas pastas palacianas.

 

Folha

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Julian Lemos revela que filhos de Bolsonaro podem inviabilizar o governo

Na entrevista à Jovem Pan, na noite desta segunda-feira, o deputado federal e presidente estadual do PSL-PB Julian Lemos disse que a guerra no PSL é um grande problema para…

Eduardo Carneiro defende PL que torna carne de sol de Picuí patrimônio imaterial

O deputado estadual Eduardo Carneiro (PRTB) vai recorrer da decisão da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) que considerou o projeto de Lei…