A possibilidade do sistema político brasileiro contar com 104 partidos registrados pela Justiça Eleitoral, a partir de 2020, não é bem vista pelo desembargador José Ricardo Porto, que integra o TRE-PB, como membro substituto, e considera que a festa da proliferação dos partidos deverá acabar.

De acordo com ele, com a limitação do acesso às verbas públicas ao fundo partidário e a programas gratuitos de rádio e TV fica, vai desestimular cada vez mais esta prática de criação de partidos.

“O Brasil não necessita de uma aglomeração oceânicas de partidos políticos, como vem ocorrendo. O povo já percebeu que algumas agremiações só vinculam os programas partidários a uma moeda de venda do guia eleitoral”, comentou o desembargador.

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Já são três os secretários de Romero que miram disputa pela PMCG

A disputa eleitoral da Prefeitura Municipal de Campina Grande em 2020 deve dividir a base do prefeito Romero Rodrigues (PSD). Pelo menos três secretários de Romero garantem que são pré…

Na Espanha, RC analisa a democracia brasileira após um ano do Governo Bolsonaro

Nesta quarta-feira (23), o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) será palestrante em um seminário sobre democracia, do Observatorio Global Urnas y democracia, na universidade de Salamanca, na Espanha. Na ocasião, o…