Em entrevista à emissora de rádio, em João Pessoa, o deputado federal pelo PSDB, Ruy Carneiro, argumentou que a derrota política sofrida pelo seu grupo em 2014 poderia já estar ligada aos fatos revelados agora pela Operação Calvário.

Naquele ano, Cássio Cunha Lima (PSDB) disputava o Governo da Paraíba, contra Ricardo Coutinho (PSB), e Ruy Carneiro estava como candidato a vice-governador. Os tucanos lideraram no 1º turno, porém, RC foi eleito no 2º. Naquela ocasião, Cássio, derrotado, voltou ao Senado para mais quatro anos de mandato e Ruy ficou sem mandato eletivo.

Porém, na análise do agora deputado federal Ruy Carneiro, após informações reveladas pela Operação Calvário, a vitória de Ricardo no 2º turno poderia, segundo Ruy, ter relações com os atos apresentados agora pelo Ministério Público.

– O escândalo já explica grande parte. E é importante dizer que nesse escândalo financeiro não está citado ainda o escândalo oficial que está no TSE, que é o Empreender, PBPrev, benefícios que foram dados de forma legal, entre aspas, para cooptação do voto. Juntando isso ao dinheiro da Calvário, está explicado não só não termos ganhado no primeiro turno, como ele ter ganhado no segundo turno, – alertou Ruy.

No entanto, para o deputado, as eleições de 2014 não são mais o assunto a ser tratado. Ruy acredita que o tempo se encarregou de mostrar a verdade dos fatos. “Isso aí tudo eu entrego a Deus. O tempo já passou e não volta mais atrás. E como eu dizia há algum tempo atrás, a história nos fará justiça, e está fazendo”, observou Ruy.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em postagem, Julian faz desabafo sobre direita envenenada: “São piores do que o PT”

Em resposta a comentários em uma rede social o deputado federal e presidente estadual do PSL Julian Lemos, desabafou, ao destacar que parte da direita está envenenada e deu a…

Opinião: em “quarentena” forçada por assessores militares e civis, Bolsonaro está “isolado”, mas ainda fará muito estrago

Aos que duvidam que o presidente Jair Bolsonaro foi posto em “quarentena” por generais, líderes políticos e membros graúdos do Judiciário, é bom que eles tenham a seguinte certeza: Sim!…