Por pbagora.com.br

A possibilidade de recriação do Ministério da Cultura, que está sendo estudada pelo Palácio do Planalto como uma forma de atrair a atriz Regina Duarte para o primeiro escalão do governo, não foi bem recebida pelo Congresso. Até os parlamentares que tentaram recriar a pasta no ano passado contestam a ideia, argumentando que o ministério é importante demais para ser subordinado a interesses pessoais e ser usado como uma moeda de troca. Ex-aliados do presidente Jair Bolsonaro ainda dizem que a proposta contraria a diretriz econômica do governo.

A ideia de elevar o status da Cultura, que hoje ocupa uma secretaria do Ministério do Turismo, foi ventilada nesse sábado (18) – um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro convidar Regina Duarte para ocupar o cargo que era de Roberto Alvim, exonerado na sexta-feira (17) após fazer citações nazistas em um vídeo institucional. A atriz até elogiou o governo depois do convite, mas pediu mais tempo para pensar na proposta e deve conversar com o presidente para poder tomar uma decisão nesta segunda-feira (20).
Caso aceite o convite, contudo, Regina Duarte abrirá mão de boa parte do seu salário. A atriz recebe cerca de R$ 60 mil por mês na Globo, mas passaria a receber um salário de aproximadamente R$ 15 mil caso virasse secretária da Cultura de Bolsonaro. O cargo de ministra, por sua vez, reduziria essa diferença salarial, já que oferece uma remuneração de cerca de R$ 30 mil. Os interlocutores do governo que reconheceram a possibilidade de recriação do Ministério da Cultura, por sua vez, não falam na questão financeira, só alegam que o status de um ministério é mais apropriado ao histórico de Regina Duarte.

Líder do Psol – partido que apresentou uma emenda para tentar recriar o Ministério da Cultura, extinto pelo próprio Bolsonaro em 2019 -, o deputado Ivan Valente (SP) avalia que a ideia de ter a pasta de volta à Esplanada realmente é algo puramente simbólico, que servirá apenas para agradar a artista da Globo. E, por isso, deve ser avaliada com ponderação.

“A Cultura tem sido tratada com um desprezo enorme. E o governo tem dado um orçamento muito baixo para esses ministérios da área social. Então, é só uma forma de fingir dar poderes maiores e autonomia para Regina Duarte. Portanto, é preciso avaliar para que vai servir esse ministério e o que ele vai fazer”, ponderou o deputado, dizendo que é a favor de “um ministério que tenha estrutura e possa desenvolver uma cultura democrática” e não de um ministério que fique subordinado aos interesses individuais do governo e sirva “de propaganda para Goebbels”.

Da mesma forma, o líder da Oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), disse que é preciso avaliar qual a política que o governo tentará implantar nesse novo ministério antes de tomar uma decisão sobre o assunto. “Como dissemos desde o início, pela importância da pasta, é necessário que a Cultura tenha status de Ministério. Mas isso não basta. Primeiro, é preciso que o ministro seja capaz de construir avanços pra população e não que esteja a cargo dos objetivos destrutivos de Bolsonaro, como fazem os ministros do Meio Ambiente, da Educação e da Relaçōes Exteriores. Segundo, é fundamental saber qual a política que se tentará implementar no novo Ministério – vão tentar impor o dirigismo estatal típico de governos autoritários?”, questionou.

Deputados de direita que romperam com Jair Bolsonaro também criticaram a ideia, mas sob outro ponto de vista: o financeiro. Eles lembraram que a ideia inicial do governo era justamente enxugar o número de ministérios para cortar os gastos do Executivo e implantar o “estado mínimo”. A ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), foi uma das que criticou a ideia. Veja o que ela disse no Twitter:

Redação com Congresso em Foco

Notícias relacionadas

Petista foi o único a votar contra PL que tornou atividade religiosa como essencial em JP

Indo de encontro às medidas restritivas (que incluem até toque de recolher) tomadas recentemente pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) – em consonância com decreto estadual – para tentar barrar…

Manoel Jr é o único prefeito paraibano a compor nova diretoria executiva da CNM

O prefeito de Pedras de Fogo (PB) Manoel Junior, que é ex-presidente da Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) é o único prefeito paraibano a integrar a chapa…