Após ser denunciado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (MPPB), por suposto desvio de verbas, o deputado estadual Manoel Ludgério (PSD), disse que está sendo vítima de perseguição política.

Em nota, Manoel ressaltou que a ação foi arrolada em uma única testemunha. Ainda conforme o deputado,  não houve diligência pelo MP e a denúncia é ‘fruto de interesses escusos contrariados’. ” Desde 2014 quando rompi com o Sr Ricardo Coutinho, eu e meus familiares passamos a ser perseguidos”, relatou o parlamentar, em trecho da nota.

Na sessão desta quarta-feira (29), o Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba recebeu denúncia oferecida pelo Ministério Público contra o deputado estadual Manoel Ludgério Pereira Neto, sua esposa Ivonete Almeida de Andrade Ludgério e o assessor parlamentar Carlos Alberto André Nunes.

Confira nota na íntegra:
Sinceramente sinto-me aliviado, pois deixo a condição de denunciado para exercer o direto a ampla defesa.

Durante mais de quatro anos este inquérito tramitou no Ministério Público do Estado da Paraíba, neste período não foi arrolada uma única testemunha a não ser a narrativa da denunciante.
Na fase do inquérito, sequer me foi dado o direito de ser ouvido pelo Ministério Público do Estado da Paraíba.

Agora sim, terei a oportunidade de exercer o direito à ampla defesa.
Toda a construção desta infundada denuncia, foi fruto de interesses escusos contrariados.
Desde 2014, quando rompi com o Sr. Ricardo Coutinho, eu e meus familiares passamos a ser perseguidos. Dois dossiês foram criminosamente produzidos, utilizados amplamente no guia eleitoral do então candidato a governador Ricardo Coutinho em 2014, ambos arquivados.
Dossiês não foram produzidos apenas contra mim e minha família, mas também contra várias autoridades deste Estado.

Não me submeti e não me submeterei jamais a chantagens de quem quer que seja.
Estou tranquilo, pois agora sim terei o direito de exercer a ampla defesa e o contraditório.
Deus no comando!
Manoel Ludgério

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeito de Uiraúna paga fiança e aguarda alvará de soltura

O prefeito afastado de Uiraúna, João Bosco Nonato Fernandes, pagou fiança de R$ 522,5 mil estipulada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello. No entanto, ainda não…

ALPB realiza doação de R$ 2 milhões ao Estado para enfrentamento ao coronavírus

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) repassou, nesta quarta-feira (8), R$ 2 milhões para as secretarias estaduais de Desenvolvimento Humano e de Educação, Ciência e Tecnologia para serem aplicados no…