Por pbagora.com.br

O PT e a parte do PMDB alinhada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva querem anunciar, em meados de outubro, que fecharam um “pré-compromisso eleitoral” para a sucessão de 2010. Diante da pressão do “PMDB tucano”, que apoia a candidatura presidencial do governador paulista José Serra (PSDB), o PT concordou em acelerar os entendimentos com os governistas do PMDB, tal como defendera o presidente da Câmara, Michel Temer (SP). O temor do PT é que o PMDB se disperse e a ala serrista ganhe força, dificultando a aliança oficial que pode dar a Dilma no mínimo mais 3 minutos e 11 segundos de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão.

“Você tem toda a razão. Não dá para fechar a aliança em outubro, mas podemos fazer um pré-compromisso eleitoral”, propôs a Temer o presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), para conforto do peemedebista mais cotado para a vaga de vice na chapa presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. O PT tratou de se movimentar depois que o ex-governador Orestes Quércia desembarcou em Brasília na tarde de terça-feira, 22, disposto a impedir um “acerto precipitado” da legenda com Dilma.

 

Além do telefonema objetivo de Berzoini, com a proposta do “pré-acordo já”, Temer também gostou da conversa com a ministra Dilma no gabinete do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). “Pela primeira vez ela não escondeu sua condição de candidata a presidente. Ao contrário, disse isto claramente”, entusiasmou-se o deputado, que em entrevista ao Estado cobrara da ministra e do PT que assumissem logo a candidatura.

 

Ele contou a Dilma que, no encontro que acabara de ter com Quércia, destacara que o PMDB “apanha muito por razões éticas” com o propósito de cobrar correção. “Se não vamos com o governo (em 2010), temos que sair do governo, exatamente como lhe cobrei que fizéssemos quando você não queria apoiar Serra (em 2002) e estávamos no governo Fernando Henrique”, teria dito Temer a Quércia.

 

Minas Gerais

 

Divergências à parte, até governistas como o ministro das Comunicações, Hélio Costa, admitem que Quércia tem razão quando afirma que o quadro ainda está indefinido nos estados e que, a depender das alianças locais, a maioria governista pró-Dilma pode virar em favor do PSDB. É o caso de Minas Gerais, onde Costa lidera com folga a corrida pelo governo estadual e, diante da indefinição do PT, não hesita em afirmar que o quadro está inteiramente em aberto: “Tanto podemos compor com o PT, como com o PSDB.”

 

O ministro explica que Minas está em compasso de espera, aguardando “um passo” do governador Aécio Neves (PSDB). Costa não tem dúvidas de que, se o mineiro – e não o paulista – for o escolhido dos tucanos para disputar a presidência, o estado inteiro ficará com ele. Vai mais longe, e admite que a “relação fraterna” que mantém com Aécio pode evoluir para uma parceria local que certamente vai influir na aliança nacional.

 

“Por mais que a gente diga que quer o PT (como parceiro para a chapa ao governo de Minas), o PT não diz nada”, queixa-se Hélio Costa. “Amor não correspondido é muito ruim. Cansa”, diz o ministro. Apesar do bom humor, Costa deixa claro que a espera tem limite. “Até o fim de janeiro fica (como está), mas, aí, quem tiver candidato a governador terá de se posicionar”.

 

No caso do PT, são dois os pré-candidatos ao governo de Minas: o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, e o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel. Talvez por serem dois petistas, Costa avalie hoje que está mais fácil compor com o PSDB de Aécio do que com o PT.

 

Cenário nacional

 

Na questão nacional o cenário é outro. Governo e PT programam uma reunião ampla com a cúpula peemedebista, ao final da primeira quinzena de outubro, antes de fecharem o pré-compromisso. A data será marcada depois que Lula e Temer voltarem da viagem à Europa – ambos irão a Copenhague no início do mês para tratar das Olimpíadas de 2016, e a agenda do presidente Lula inclui visita a mais dois países. Até lá, Temer vai ampliar as conversas internas.

 

Estadão

Notícias relacionadas

Medeiros alerta para propagação da covid no interior: “Ninguém usa máscara”

A iminência de uma terceira onda de casos de Covid-19 na Paraíba tem se tornado cada dia mais possível, sobretudo por conta da mudança comportamental da população do interior do…

“Terá candidato”, diz Galdino garantindo que João irá se pronunciar sobre eleição presidencial

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o deputado Adriano Galdino, afirmou, neste final de semana, que o governador João Azevêdo (Cidadania) não deve ficar em cima do muro,…