E ela foi “parida” pelo ventre daqueles exploradores. Povos de língua estranha, pela clara, roupas coloridas e volumosas. Vieram sem pedir licença aos Potiguara e Tabajara. Atracaram seus barcos à vela às margens do Rio Sanhauá. Dominaram os indígenas e construíram as primeiras edificações longe do mar, por razões estratégicas e militares; percorrendo o caminho inverso de muitas cidades litorâneas do Brasil

Era 5 de agosto de 1585, e sobre uma pequena elevação formada numa extremidade daquele afluente do Rio Paraíba, veio a ser fundada a Cidade Real de Nossa Senhora das Neves, homenagem à santa do dia, até hoje padroeira da cidade. Daquela data até nossos dias a capital paraibana recebeu outros nomes.

Foi Filipeia de Nossa Senhora das Neves, em 1588, numa homenagem ao rei Filipe da Espanha e de Portugal. Durante a invasão holandesa, em 1634, tornou-se Frederikstad. A partir de 1654, seu nome foi trocado para Parahyba do Norte.

A denominação de João Pessoa foi aprovada em setembro de 1930, em homenagem ao político paraibano homônimo, assassinado em 26 de julho de 1930, na Confeitaria Glória, em Recife. E assim vai uma rápida menção histórica daquela que já foi chamada “Cidade das Acácias” quando era, eu, meninote vindo do interior.

E João Pessoa é assim. Firmada em pedra e argamassa, forjada por guerras, amores perfeitos e imperfeitos. Casario histórico belo, cujas suas igrejas barrocas trazem, em si, anjos arredondados e olhar benevolente. E assim chega a terra de um povo hospitaleiro e belo, que pulsa em coração macro, aos seus 434 anos.

Essa é João Pessoa. Acolhedora em todo seu esplendor. Detentora de um patrimônio cultural material e imaterial que a coloca em posição próxima aos deuses que cultivam o belo e festejam a vida. Vida calma, banhada por um oceano de águas mornas, e um sem fim de verde a perder de vista.

Sim, verde. Verde da mata nativa ou plantado nos jardins e quintais. Verde da esperança. De uma qualidade de vida especial que a torna ponto de referência para outras capitais do país. E assim vai João Pessoa no trem do progresso, sem perder seus vínculos históricos do passado.

Relembrando as primeiras impressões daquele meninote que chegou até ela vindo do interior, continuo a entrar em processo de ebulição amorosa por ti, João Pessoa. Capital do meu e de outros milhares de corações que habitam no teu ventre; sendo todos nós paridos, a cada dia, pelo que tu és e fostes. Parabéns João Pessoa!

Eliabe Castor
PB Agora

Total
5
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Tudo vai depender da situação de cada município”, diz Wilson Santiago sobre efeitos das mudanças eleitorais para 2020

Indicado pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, como o coordenador  no Nordeste  responsável pelas eleições municipais de 2020, o deputado federal paraibano e presidente estadual do PTB Wilson Santiago,…

Congresso avalia abertura do setor de saneamento à iniciativa privada

Na tentativa de reverter os baixos índices de acesso a água e esgoto tratados no país, o Congresso virou palco de uma disputa de projetos para mudar as regras para…