Por pbagora.com.br

Cotado para Ministério, Manoel Júnior mostra força na Câmara com apoio de Cunha, mesmo com críticas à Dilma

 

 O deputado federal Manoel Júnior (PMDB) está mostrando sua força política no âmbito nacional nesta semana. Cotado para ser o novo Ministro da Saúde, indicado pelo presidente da Câmara Federal o deputado Eduardo Cunha (PMDB) e apoiado pela bancada do seu partido, o paraibano pode ser nomeado pela presidente Dilma Roussef (PT) ainda nesta quinta-feira (24).

 

O parlamentar teceu críticas ao Governo Federal e ainda pediu que a presidente renunciasse em um dado momento da crise política que o país está vivendo, ainda sim, é o favorito para ser Ministro da mandatária petista.

 

A mídia nacional repercute a possibilidade da confirmação desta nomeação como algo "equivocado" já que ele é aliado de primeira hora do presidente da Câmara, Eduardo Cunha que se diz oposição ao Governo, mas analistas políticos veem esta questão como um ato de "generosidade" do Governo e da presidente para acalmar o PMDB e trazê-lo de volta para a base e assim facilitar tramitações de pautas no Congresso.

 

""Manoel Júnior comentou a possibilidade de ser o novo ministro e lembrou que é médico e conhece a realidade da área no país que amarga falta de investimentos e muitos problemas, dos quais, ele disse que aceita o desafio de melhorar e oferecer uma saúde mais digna para o povo brasileiro.

 

"Eu me sinto honrado por ter sido lembrado pelos colegas dentro de um grupo seleto de indicações para a presidente Dilma. Agradeço a confiança dos meus líderes, Eduardo Cunha e do vice-presidente Michel Temer (PMDB). Estou feliz e agradecido, é uma honraria extraordinária".

 

"Sobre as críticas, elas são importantes, no caso da minha, feita à presidente, eu fiz e sempre farei sempre que possível e necessário. O país passava por um momento muito difícil, em meio a essa crise política e econômica e precisava dar um choque de gestão. Ela está mudando de atitude: enxugando a máquina, cortando gastos, fazendo reformas. Estamos atendendo ao chamado do Governo e do povo para juntos, encontrarmos o caminho para sair da crise, equilibrando a economia e o clima político".

 

Indagado sobre o desafio do Ministério, o deputado salientou que os problemas da saúde precisam ser enfrentados com criatividade para se fazer mais com menos.

 

"Se fosse filé era bom. Nunca tive facilidades na minha vida, assim como todos que procuram seguir os caminhos corretos, é tudo difícil. O Ministério da Saúde é uma pasta complexa, gigantesca que tem pouco dinheiro e para melhorar enfrenta essas dificuldades. No entanto, estes problemas devem ser enfrentados com criatividade. Muito, do pouco que chega, é desviado, vai pelo ralo da corrupção e da incompetência de gestão e é isso que tem que ser combatido para oferecer uma melhor saúde para o povo brasileiro", finalizou Manoel Júnior.  

  

A entrevista foi concedida a um programa de rádio de João Pessoa.

 

PB Agora

Notícias relacionadas

Comissão da ALPB aprova Política de Saúde Mental para órfãos devido à pandemia

A Comissão de Saúde, Saneamento, Assistência Social, Segurança Alimentar e Nutricional da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou, nesta quarta-feira (12), a Política Estadual de Atenção Social e Saúde Mental…

Prefeito do PSDB declara apoio à reeleição do governador João Azevêdo

O prefeito de Marizópolis, Luquinha do Brasil (PSDB), declarou, em encontro realizado ontem com o governador João Azevêdo (Cidadania), adesão à sua base de sustentação e apoio à reeleição em…