Por pbagora.com.br

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou anteontem um parecer do senador Pedro Simon contrário a que deputados e senadores tenham emissoras de rádio e de televisão, informa reportagem de Elvira Lobato e Andreza Matais, publicada na edição de hoje da Folha (a íntegra está disponível apenas para assinantes do jornal e do UOL). O parecer também recomenda a rejeição da renovação das concessões já existentes.

A reportagem informa que a aprovação do parecer –aprovado numa reunião com apenas quatro senadores– provocou discussão na CCJ. Antonio Carlos Magalhães Júnior (DEM-BA), acionista da TV Bahia, afiliada da Rede Globo no Estado, reclamou com o presidente da CCJ, Demóstenes Torres (DEM-GO), o fato do parecer ter sido votado numa sessão esvaziada.

De acordo com a reportagem, 17 senadores têm emissoras –como Tasso Jereissati (PSDB-CE), proprietário da rádio e da TV Jangadeiro, em Fortaleza; Roseana Sarney (PMDB-MA) –acionista da TV Mirante, afiliada Globo, e de três rádios no Maranhão–; Fernando Collor de Mello (PTB-AL) –acionista da TV Gazeta, em Maceió, afiliada da Globo–; e José Agripino, líder do DEM no Senado e proprietário de uma emissora de rádio no Rio Grande do Norte. O parecer agora irá a votação pelo plenário do Senado.

 

Folha

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Julian Lemos crítica Bolsonaro: “O homem que está no poder, não é o que elegemos”

O deputado federal Julian Lemos, do PSL, usou seu perfil numa rede social para para fazer um desabafo a respeito do presidente da República, Jair Bolsonaro. Na postagem, Julian critica…

Ruy cobra reabertura imediata do Congresso por causa da pandemia

Com o agravamento da pandemia no Brasil e a situação de calamidade em Manaus, o deputado paraibano Ruy Carneiro defendeu a imediata suspensão do recesso parlamentar da Câmara Federal e…