Por pbagora.com.br

A eleição da Câmara de Cabedelo volta a ser alvo de polêmicas. Ontem, a juíza Teresa Cristina de Lyra Pereira Veloso, da 4ª Vara Mista de Cabedelo, assinou uma liminar que concede tutela de urgência suspendendo as votações de 27 de novembro na Casa.

A medida atende a um pedido do Ministério Público da Paraíba (MPPB) e ainda traz consigo a anulação de três projetos de lei aprovados na Câmara, que garantiam reajustes salarias a servidores do Município

A presidente eleita na Casa, Geusa Ribeiro (PRP), disse em entrevista, por telefone, que ainda estava obtendo detalhes da decisão e se preparava para uma reunião com advogados, no momento da ligação. “O que a Justiça determinar será cumprido, mas as eleições da Câmara ocorreram de forma correta, transparente e conforme o regimento”, afirmou.

Entenda. Os imbróglios envolvendo as eleições na Câmara de Cabedelo começaram em novembro, quando a Casa definiu a nova composição da mesa diretora para o próximo biênio (2019/2020). Através de uma manobra regimental, a atual presidente em exercício Geusa Ribeiro foi eleita presidente em substituição a Jacqueline Monteiro, presa por conta da operação Xeque-mate.

Com a nova configuração, a partir de janeiro Geusa assumiria a prefeitura da cidade provisoriamente e conduziria o Município à realização da eleição complementar marcada para acontecer em março. O atual prefeito em exercício Vitor Hugo (PRB) permanece no cargo até o dia 31 de dezembro deste ano, quando se encerrará o mandato como presidente da Câmara Municipal.

Redação

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Notícias relacionadas

CCJ da ALPB rejeita texto que torna igrejas como atividade essencial na Paraíba

Na manhã desta sexta-feira (05), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) rejeitou o projeto de Lei de autoria do deputado Jutay Meneses (Republicanos),…

Petista foi o único a votar contra PL que tornou atividade religiosa como essencial em JP

Indo de encontro às medidas restritivas (que incluem até toque de recolher) tomadas recentemente pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) – em consonância com decreto estadual – para tentar barrar…