Com base no dieese: superintendente da Guarda Municipal defende salário de R$ 3 mil para agentes; guardas agiriam agora como policiais militares

O superintende da Guarda Municipal José Bernadino (PPS) surpreendeu a todos ao defender a readequação de função dos seus subordinados. O curioso é que a medida traz consigo uma ampliação significativa no salário da Guarda, o que oneraria em muito a folha de servidores do município. Não é costumeiro ver um auxiliar de governo defendendo um encargo tão pesado nas contas.

“Precisamos defender o que é justo. Eu acho que o salário do guarda municipal deveria ser no mínimo R$ 3.000,00”, afirmou Bernadino.

Para justificar o aparentente ‘estrondoso’ valor, o superintendente usou como parâmetro dados do Dieese, dando conta que esse seria a cota mínima necessária para um cidadão viver com a dignidade expressa como ‘direito’ na Constituição.

"Defendo que esse reajuste seja dado à todas as categorias profissionais do país", declarou.

Questionado sobre os impactos que o acréscimo salarial traria ao erário público, o superintendente não cedeu à sua posição e contra argumentou taxativo: “Essa medida não vai quebrar nem Prefeitura e nem Governo”.

Conhecida como PEC-534, o projeto tem como objetivo modificar as competências da guarda municipal. Atualmente apenas autorizada à prestar serviços de proteção aos bens públicos, a exemplo do que acontece na Paraíba, caso seja aprovada a PEC, os guardas passarão também a zelar pela segurança da população, como fazem os policiais militares. Com isso, ampliando a competência, aumentariam consequentemente seus salários.

 

PB Agora
 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Helena vai entrar com ação contra idosas que querem proibir deficientes na praia

Visando garantia o direito de ir e vir de todos os brasileiros, a vereadora de João Pessoa, Helena Holanda, vai entrar com uma ação no Ministério Público Estadual (MPPB) contra…

Ex-prefeito de Catingueira é condenado por crime de estelionato

O ex-prefeito do município de Catingueira, José Edivan Félix, foi condenado a uma pena de três anos, nove meses e 15 dias de reclusão, por desvio de verbas municipais em…