O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, reconheceu nesta quinta-feira que se precipitou ao anunciar o nome do secretário de Saúde do estado, Sérgio Côrtes, como futuro ministro no governo da presidenta eleita, Dilma Rousseff. Cabral fez o anúncio na última terça-feira (30), mas no dia seguinte a presidenta eleita afirmou que não havia feito o convite oficial a Côrtes.

Cabral está na capital argentina para acompanhar a instalação da primeira Unidade de Pronto-Atendimento 24 horas (UPA) na cidade, que tem como modelo as existentes no Rio de Janeiro.

O governador relatou que, em conversa com Dilma na segunda-feira (30), na Granja do Torto, em Brasília, ela manifestou o desejo de ter o secretário de Saúde em seu governo. “Mas eu me precipitei”, completou Cabral. “Eu errei por ter me empolgado, mas daí a formalizar um convite há uma diferença. Quem anuncia ministro é a presidente da República ou alguém delegado por ela. Eu cometi esse erro e peço desculpas por ele. Foi uma deselegância, já conversei com a presidente eleita por telefone e o episódio está superado.”

Cabral disse que acabou se precipitando por considerar Sérgio Côrtes o melhor técnico de saúde pública do Brasil. Perguntado se o episódio prejudicaria uma possível indicação do secretário para comandar o Ministério da Saúde, o governador afirmou que não falará mais sobre o assunto. “Ela [a presidenta eleita] não formalizou o convite. Essa é uma escolha técnica e ela mesma frisou que a saúde tem que entrar [no governo] num conceito técnico de gestão.”

Ele acrescentou que, apesar de ser um governador do PMDB, a negociação para a montagem do governo tem se ser comandada pelo vice-presidente eleito da República, Michel Temer, com os líderes no Senado e na Câmara.

Sobre a negociação de cargos para a gestão de Dilma, Cabral acredita que “tudo vai acabar muito bem”. “O vice-presidente eleito, Michel Temer, e a presidente eleita terão integração muito grande e essa integração PMDB-PT é importante para o país porque, no fundo, o que interessa são as políticas públicas. Daí o meu entusiasmo com o [Sérgio] Côrtes, quando me lembrei de que o Rio de Janeiro era um estado em que para se tirar uma tomografia o cidadão esperava semanas”.

De acordo com o governador, atualmente existem tomógrafos modernos em qualquer hospital público de emergência no Rio de Janeiro, assim como equipamentos para a realização de ressonância magnética.

Com relação à investigação do Ministério Público sobre a gestão de Côrtes, envolvendo acusação de superfaturamento em licitação da Secretaria de Saúde, Cabral disse que ao assumir o governo, em 2007, os instrumentos gerenciais disponíveis eram irrisórios, principalmente na área de saúde. “Hoje, menos de 5% das compras para o setor de saúde são feitas para a emergência. Isso é um padrão acima da média brasileira. A Secretaria de Saúde é a que mais compra por pregão eletrônico. Então, essas acusações são fruto de interesses contrariados. Nós contrariamos muitos interesses.”

O governador lembrou que qualquer administrador está sujeito a ter suas ações questionadas. No caso específico da Secretaria de Saúde, Sérgio Cabral disse que as ações do órgão são abertas e transparentes. “Se alguém fez uma denúncia, cabe ao Ministério Público apurar.”

 

 

Terra

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Presidente da ALPB e líder do Governo atribuem a Cabo Gilberto tática para embargar votações

Em entrevista a imprensa o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba deputado Adriano Galdino e o líder do Governo, deputado Ricardo Barbosa, ambos do PSB, reclamaram da tática utilizada semana…

“A briga agora vai ser em Brasília” diz Carlão do Cristo ao anunciar que partido recorrerá sobre posse de Helena Holanda

O suplente Carlão do Cristo (PROS), que disputava junto com Helena Holanda e Marcílio do HBE a cadeira deixada por Eduardo Carneiro (PRTB) na Câmara de João Pessoa, anunciou que…