A Paraíba o tempo todo  |

Bruno destaca defesa por voto auditável e reforça que medida não é a mesma adotada no passado

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), é mais um político a endossar a tese do voto auditável, assim como defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em entrevista nesta quarta-feira (04), o gestor deixou claro que a medida não significa voltar ao passado, mas representa mais um forma de assegurar a idoneidade da votação.

“Defendo clareza, transparência, que a eleição seja de fato auditável e confiável. Quando alguém fala sobre a possibilidade de ter também o voto impresso, parece que vai voltar ao passado e as pessoas vão votar em cédulas. Não é isso. O que alguns estão defendendo é que faça a votação na urna eletrônica, que a mesma urna imprima o resultado dos votos e que a cédula seja depositada numa urna física ao lado da urna eletrônica para, caso seja necessário ter uma recontagem dos votos, possa ser feita no papel”, ressaltou.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, que é sobre o voto impresso auditável, é de autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL). A PEC estabelece que no processo de votação e apuração das eleições é obrigatória a expedição de cédulas físicas conferíveis pelo eleitor.

Redação

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      11
      Compartilhe