Pré candidato a prefeitura de Campina Grande, o empresário, e presidente do PSL municipal, Artur Almeida, disse que a escolha do nome do candidato a vice-prefeito, deve ocorrer após o mês de abril, quando se acaba o período de filiação. A escolha segundo ele deve ser feito baseado nos pensamentos políticos afinados com o PSL.
– Preciso de uma pessoa honesta e bem-intencionada. O vice, ou a vice, precisa ser comprometido com os valores e pensamentos para que não venha a atrapalhar a governabilidade – destacou.

Em entrevista a Rádio Campina FM, Bolinha garantiu que já tem um quadro de vereadores quase definido para a disputa eleitoral deste ano. De acordo com ele, faltam apenas a filiação de algumas mulheres.
– Estou muito otimista com o quadro de pré-candidato a vereadores que estamos montando e será a primeira campanha que vamos enfrentar, que teremos um partido dentro de um número de candidato a vereadores, realmente, expressivo e que vai nos ajudar muito a disseminar nossas ideias e projetos, para que possamos mostrar a toda Campina Grande, o que pensamos para ela – disse.

O pré-candidato disse que será impossível não usar o fundo eleitoral do partido na campanha, pois, por mais que acredite que dinheiro público deva ser investido em saúde, educação, infraestrutura, assistência social, e em outras áreas, com a mudança na legislação eleitoral, fica inviável fazer a campanha sem que os recursos sejam usados.

– Com a mudança na legislação e proibição da doação privada, você só tem uma forma de fazer campanha, é usando o recurso do fundo eleitoral. O que for disponibilizado será o que vai ser rateado entre os candidatos para que possam investir em material e divulgação. Eu, particularmente, sou redondamente contra financiamento público de campanha, mas se eu não utilizar não terei como fazer, pois, foi vedado a doação privada, além da autodoação. Você só pode doar hoje, para sua própria campanha, 10% do que declarou no imposto de renda – disse.

Artur Bolinha também comentou sobre a saída do presidente Jair Bolsonaro do PSL. No seu entendimento a decisão de Bolsonaro, foi tão ruim para o partido, quanto para o chefe do Executivo nacional, uma vez que o Aliança Pelo Brasil não estará formado e não elegerá nenhum candidato.

Apesar disso, Bolinha teria observado que algumas pessoas eram, anteriormente, resistentes ao PSL, por causa da presença de Bolsonaro.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Galdino não descarta prorrogar suspensão das atividades na ALPB pela 2ª vez: “Vamos acompanhar a decisão do Governo”

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, nesse fim de semana, não descartou a possibilidade de ampliar o prazo de suspensão das atividades presenciais. A Assembleia também…

Polícia atua na prevenção do coronavírus em 32 aldeias indígenas Paraíba

A Polícia Militar da Paraíba deu início a um trabalho voltado para alertar a população indígena que vive nas 32 aldeias do Litoral Norte do Estado, com o objetivo de…