Após ter pedido de habeas corpus atendido pelo Superior Tribunal de Justiça, o prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, poderá voltar ao cargo à frente da gestão daquele município. Segundo seu advogado Raoni Vita, o retorno de Berg Lima ao comando da administração municipal será apreciada pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), quando da votação da notícia-crime formulada contra ele, que está na pauta de julgamento da sessão de hoje do Pleno.

Durante o julgamento, três dos cinco integrantes da Sexta Turma do STJ votaram a favor da liberdade de Berg: os ministros Sebastião Reis Júnior, Rogério Schietti e Antônio Saldanha; e dois votaram contra: a ministra relatora Maria Thereza de Assis Moura, e o ministro Nefi Cordeiro.

No entanto, para conceder a liberdade de Berg, os ministros entenderam que o prefeito afastado não integrava uma organização criminosa, mas que o recebimento de propina seria uma conduta individual. Com isso, eles decidiram aplicar uma séria de medidas cautelares ao gestor, dentre elas, a manutenção do afastamento do cargo, até a análise de denúncia.

De acordo com o advogado, que acompanhou o julgamento do habeas corpus no STJ, que a decisão tomada pela Sexta Turma limitou-se a soltura imediata do gestor, que retornou à sua casa. Vita considerou a decisão um alívio e a certeza que a verdade virá à tona. O destino de Berg Lima volta a ser analisado pelo Pleno do Tribunal de Justiça (TJPB), que deve analisar hoje, a partir das 9h, a notícia-crime de autoria do Ministério Público da Paraíba (MPPB), que o denunciou por crime de responsabilidade, pela suposta prática de corrupção passiva e concussão (recebimento de vantagem indevida), que resultou em sua prisão preventiva, decretada pelo juiz convocado Aluízio Bezerra.

VÍDEO

Após deixar a prisão na noite desta terça-feira (28), o prefeiro afastado de Bayeux, Berg Lima, gravou um vídeo para agradecer à população pelas orações e por todo apoio. Berg disse que está bem e dará a vola por cima.

 

 

 

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: RC vê conotação política em escritório arrombado. Acha que há mandantes

Em resposta a questionamentos da coluna, o presidente da Fundação João Mangabeira e ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), disse, na madrugada deste domingo (18), não ter dúvidas de que…

Opinião: a metáfora de “RC, João e a guerra em terra Tabajara”

A guerra foi deflagrada. Montgomery decidiu firmar o desembarque no Sanhauá de forma rápida e precisa, a fim de evitar maiores movimentos do exército oposicionista comandado pelo general Hideki Tojo.…