Em defesa de uma educação pública de qualidade e contra contra os cortes na Educação, o Future-se, em defesa da soberania nacional, autonomia das universidades públicas e ampliação das verbas, entidades sindicais, instituições de ensino, movimentos estudantis e demais organizações sociais aderiram à Greve Nacional pela Educação ontem e hoje (3). A categoria protesta às 15h, no Parque Lagoa, em João Pessoa, contra os ataques do Governo Federal ao ensino público.

Ontem (2)na cidade de Areia, professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), convocados pelo sindicato da categoria (Adufpb), se reuniram para debater as demandas que estão norteando estes dois dias de mobilização. Fernando Cunha, vice-presidente da AdufPB revela que o descontingenciamento de 15% das verbas no orçamento de 2019 é resultado da pressão social dos sindicatos e movimentos sociais.

“É importante ficar atento para que o Governo Federal não apresente a devolução de 15% dessas verbas como mérito deles, esse pequeno descontingenciamento é resultado das mobilizações feitas desde maio em defesa da educação pública brasileira, principalmente, a de ensino superior. O Governo Federal não fez mais que sua obrigação”, afirmou.

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ex-presidente do PSL/SE acusa Julian de integrar complô na sigla e trair Bolsonaro

Em entrevista bombástica concedida ao programa Arapuan Verdade, na tarde desta terça-feira (22), o ex-presidente do PSL de Sergipe, João Tarantela acusou o deputado federal paraibano, Julian Lemos (PSL) de…

Vereadora afirma que “pessoal de esquerda só pensa em sexo”

Os intensos debates entre as vereadoras Eliza Virgínia (PSDB) e Sandra Marrocos (PSB), que acontecem com frequência na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), ganharam mais um episódio nesta terça-feira…