Em defesa de uma educação pública de qualidade e contra contra os cortes na Educação, o Future-se, em defesa da soberania nacional, autonomia das universidades públicas e ampliação das verbas, entidades sindicais, instituições de ensino, movimentos estudantis e demais organizações sociais aderiram à Greve Nacional pela Educação ontem e hoje (3). A categoria protesta às 15h, no Parque Lagoa, em João Pessoa, contra os ataques do Governo Federal ao ensino público.

Ontem (2)na cidade de Areia, professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), convocados pelo sindicato da categoria (Adufpb), se reuniram para debater as demandas que estão norteando estes dois dias de mobilização. Fernando Cunha, vice-presidente da AdufPB revela que o descontingenciamento de 15% das verbas no orçamento de 2019 é resultado da pressão social dos sindicatos e movimentos sociais.

“É importante ficar atento para que o Governo Federal não apresente a devolução de 15% dessas verbas como mérito deles, esse pequeno descontingenciamento é resultado das mobilizações feitas desde maio em defesa da educação pública brasileira, principalmente, a de ensino superior. O Governo Federal não fez mais que sua obrigação”, afirmou.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

NEPOTISMO: TJPB revoga liminar e afasta prefeito de Aparecida

O prefeito do município de Aparecida, Júlio César Queiroga de Araújo (PTC), terá que se afastar do cargo, após determinação do juiz Aluísio Bezerra Cavalcanti, do Tribunal de Justiça da…

Bolsonaro lidera intenção de voto para 2022 seguido por Lula, diz CNT/MDA

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lidera a intenção de voto para corrida presidencial de 2022, segundo pesquisa da CNT (Confederação Nacional do Transporte), encomendada ao instituto MDA. Ele, que tem 29,1% das…