Por pbagora.com.br

O presidente da Associação Paraibana do Ministério Público, João Arlindo, manifestou em entrevista ao PB Agora, na tarde desta segunda-feira, sua revolta pela decisão do colégio de procuradores de vetar a participação de promotores como candidatos ao cargo de Procurador Geral de Justiça. “É um retrocesso absurdo, no momento em que a democracia tem avançado em todas os segmentos do Brasil, nas últimas décadas”, desabafou Arlindo.

Para o dirigente classista, mais do que frustrar toda uma categoria que aspira a possibilidade de também participar do processo eleitoral na Procuradoria Geral do Estado, a decisão dos procuradores, na manhã desta segunda-feira, é uma péssima sinalização sobre o nível político em que está inserido o Ministério Público da Paraíba. Segundo JOão Arlindo, a Associação que ele representa respeita a decisão, mas questiona como é possível se retroceder em pleno regime democrático dessa forma.

Fazendo um parâmetro, João Arlindo compara a decisão dos procuradores a um quadro surreal no Brasil, em que as eleições diretas deixassem de existir e se decidisse pela volta do abominável colégio eleitoral no Congresso Nacional. “O mais irônico é que, em sua missão, o promotor é um defensor da democracia para os outros, mas não tem condições de usufruir do mesmo processo internamente, em sua carreira profissional”, lamenta o presidente da Associação Paraibana do Ministério Público, ao registrar que a base do MP no Estado pode votar, mas não pode ser votada.
 

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Acéfala, oposição na ALPB busca um líder para chamar de seu

Sem Raniery e sem Eduardo Carneiro, liderança já foi dispensada por Camila Toscano e Tovar Correia Lima Após o deputado Raniery Paulino (MDB), que atuava como líder da oposição na…

TJPB determina sequestro de R$ 134 milhões de RC, Cida, Estela, Márcia e mais investigados na Calvário

O desembargador Ricardo Vital de Almeida determinou o sequestro de bens e valores dos acusados de integrarem uma suposta organização criminosa que teria atuado no governo do Estado. Ao todo,…