Por pbagora.com.br
 
 

Ex-governador foi solto após passar mais de dois meses preso na Superintendência da PF

Após deixar a prisão, José Roberto Arruda (ex-DEM, sem partido) vai precisar de autorização do STJ (Superior Tribunal de Justiça) para sair de Brasília. O ex-governador do DF foi solto na segunda-feira (12), depois de ficar 61 dias preso na Superintendência da Polícia Federal.
 

Para sair de Brasília, Arruda vai precisar de autorização do relator do inquérito da Operação Caixa de Pandora no STJ, ministro Fernando Gonçalves. O ministro fica no cargo até a próxima semana e, após ele sair do cargo, a relatoria será de responsabilidade do ministro Castro Meira.

Ontem o STJ concedeu a revogação da prisão preventiva de Arruda. Ele foi preso por suspeita de tentativa de suborno a uma testemunha do mensalão do DEM, o esquema de pagamento de propina que envolveria integrantes do governo do DF. Arruda vai responder em liberdade a processos por crimes contra a fé pública, falsidade ideológica e por coação de testemunha e obstrução de investigação.

Depois do julgamento da revogação da prisão, o advogado de Arruda, Nélio Machado, disse que o ex-governador estava preso sem ser julgado e que agora a defesa iria mostrar que as acusações são “insipientes”.

– [A acusação] se origina de pessoas que não tem nenhuma credibilidade.

Segundo o advogado, Arruda não pensa em voltar à vida pública e que ele vai ficar com a família e cuidar do restabelecimento de sua saúde. O ex-governador fez vários exames durante o período em que ficou preso e neles foi detectado que uma das veias estava obstruída. Além disso, Arruda teve de tomar remédios contra depressão.

Nesta terça-feira (13), Arruda está em casa, no Park Way, bairro nobre de Brasília junto com a família.

 

 

R7

 
 
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Ruy cobra reabertura imediata do Congresso por causa da pandemia

Com o agravamento da pandemia no Brasil e a situação de calamidade em Manaus, o deputado paraibano Ruy Carneiro defendeu a imediata suspensão do recesso parlamentar da Câmara Federal e…

Justiça decreta bloqueio de bens de ex-presidente da Câmara de Cabedelo

A 4ª Vara Mista de Cabedelo deferiu a liminar requerida pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e decretou a indisponibilidade dos bens até o limite de aproximadamente R$ 801 mil…