A sessão desta quinta-feira (21) na Câmara Municipal de João Pessoa repercutiu a nota divulgada pela Presidência do PT na Capital paraibana na qual o vereador Lucas de Brito (DEM) foi duramente criticado por ter apresentado um voto de aplauso ao Supremo Tribunal Federal (STF), na pessoa do ministro Joaquim Barbosa, pela condenação e prisão dos acusados no escândalo do "Mensalão". Parlamentares como Bruno Farias, Marco Antônio, Renato Martins e até o presidente da Casa, Durval Ferreira, foram solidários ao democrata.

Na nota divulgada pelo Partido dos Trabalhadores, o presidente Jackson Macêdo faz ataques pessoais ao vereador e a sua família, afirmando que ela seria “de Direita” e “de tradição oligárquica”, além de insinuar que o vereador teve o intuito de “expressar todo o seu ódio como integrante de uma elite política conservadora” contra o PT.

Durante discurso na tribuna da Casa, Lucas lamentou a nota, que considerou “desastrosa” por atacar o ministro Joaquim Barbosa; ser agressiva com a imprensa nacional; caluniosa com o parlamentar; e ainda atingir o vereador petista Benilton Lucena, que votou favorável ao requerimento apresentado pelo democrata. “A nota chama a imprensa brasileira de golpista e de direita, mas se solidariza com criminosos condenados. Também faz ataques de cunho pessoal a mim, ao ministro Joaquim Barbosa, e é injusta com Benilton”.

Em apartes, os vereadores Marco Antônio, Renato Martins e Bruno Farias elogiaram a atuação de Lucas de Brito como opositor na Câmara Municipal e lembraram a trajetória de seu avó, Joacil de Brito Pereira, e de seu pai, Eitel Santiago, na vida pública do Estado. O presidente da Casa, Durval Ferreira, foi além e afirmou que não podia admitir um tratamento desrespeitoso com um parlamentar da Casa: “Acho que ele (Jackson Macêdo) foi infeliz com a nota”, destacou o presidente.

Ainda em seu discurso, Lucas de Brito lembrou que nunca se calou diante de denúncias apresentadas contra integrantes do seu partido ou gestores aliados. “Fui o primeiro a citar as ligações perigosas entre a Prefeitura de João Pessoa e a empresa ligada ao escândalo de Carlinhos Cachoeira e Demóstenes Torres, que era do Democratas e que foi devidamente expulso do partido”. No entanto, o vereador finalizou a participação na tribuna afirmando que perdoa o presidente do PT, Jackson Macêdo, por seus excessos.



Redação com Assessoria

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cientista político paraibano elenca motivos da baixa quantidade de mulheres eleitas na política

As regras da Justiça Eleitoral que buscam resguardar cotas mínimas de candidaturas femininas e de recursos financeiros a elas ainda não são garantia de que mais mulheres serão, efetivamente, eleitas…

Galdino revela que não tolera mais ausências injustificadas dos deputados na ALPB: “Vou cortar o ponto”

Promessa feita durante a sua postulação para presidir a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o deputado Adriano Galdino (PSB), voltou ontem (15), a afirmar que não vai tolerar mais ausências…