Por pbagora.com.br

Após o Ministério Público Federal ter denunciado nessa quinta-feira (6), os ex-secretários de Educação da Paraíba, Francisco Sales Gaudêncio e Afonso Celso Caldeira Scocuglia por suposto envolvimento em esquema de desvio de recursos públicos no escândalo que ficou conhecido como Caso Desk, fatos interessantes a respeito do caso vieram à tona.

De acordo com informações do Blog do Suetoni, o suposto esquema de superfaturamento na compra de mobiliário estudantil por meio de dispensa de licitação teria passado de um governo a outro, já que Francisco Sales Gaudêncio pertencia ao governo de José Maranhão (já falecido), e Afonso Celso Caldeira Scocuglia, ao governo de Ricardo Coutinho (PSB).

Segundo o MPF, nos dois casos os contratos nas duas gestões seguiram o mesmo modus operandi com o governo em vigor firmando contrato com as empresas Desk Móveis Escolares e Produtos Plásticos LTDA. e a Delta Produções e Serviços LTDA., fazendo adesão a ata de registro de preço diversas, registradas pela Coordenadoria Geral da Central de Licitações do Estado do Piauí. As duas empresas beneficiadas pertencem a Fabíola Bazhuni Maia Vassalo e a Fábio Nagid Bazhuni Maia, também denunciados, e geraram prejuízo ao erário por causa de sobrepreço.

Ainda conforme as informações de Suetoni Souto Maior, a apuração originária verificou compras no valor de R$ 36,8 milhões, porém, a denúncia protocolada nesta quinta-feira (6) focou apenas em cinco contratos – quatro deles referente ao período de gestão de Sales Gaudêncio e outro na do sucessor.

Apesar de os governos serem diferentes, o roteiro do suposto desvio dos recursos públicos seguiu o mesmo caminho. Fabíola Bazhuni Maia Vassalo e a Fábio Nagid Bazhuni Maia também foram denunciados, assim como os servidores públicos Terezinha da Costa Fernandes, Aniel Aires do Nascimento e Bruno Ricelli Araújo Freire.

Em um dos contratos investigados durante a gestão de Gaudêncio, houve a compra de R$ 7,1 milhões. O MPF diz que não ficou demonstrado a necessidade dos produtos no processo e alegou sobrepreço de 15%. O prejuízo para os cofres públicos, neste caso em específico, teria sido de R$ 664.200,00.

Ao todo, dos cinco contratos investigados, quatro eram referentes ao período do governo de José Maranhão e um do governo de Ricardo Coutinho, quando o secretário já era Scocuglia. No caso dele, a compra foi de R$ 8,7 milhões em móveis também com base na adesão de preços e com os mesmos problemas alegados em relação aos outros contratos.

PB Agora

Notícias relacionadas

Paraibano é o relator de comissão para investigar relatório falso sobre mortes pela Covid

A presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Ana Arraes, instituiu uma Comissão de Processo Administrativo Disciplinar (PAD), composta por auditores federais de controle externo, para apurar, no prazo…

Eletricitários farão manifesto hoje em CG contra a privatização da Eletrobras

Os trabalhadores e trabalhadoras da Eletrobras – Chesf em Campina Grande, irão realizar nesta terça-feira (15), ato de protesto contra a privatização da empresa e pelo não cumprimento do ACT.…