Advogado, Senador Veneziano Vital se solidariza com a OAB e aos advogados brasileiros pelos ataques de Bolsonaro

O Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) prestou solidariedade nesta segunda-feira (29) à Ordem dos Advogados do Brasil – OAB e aos advogados brasileiros por conta dos ataques desferidos pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, contra o presidente da entidade, Felipe Santa Cruz, e contra a própria entidade maior da advocacia nacional, o que acabou por atingir os advogados de todo o País.

Advogado, membro da OAB, filho do também advogado e tribuno Vital do Rêgo, ex-presidente da OAB Paraíba e pessoa bastante respeitada no meio jurídico do Brasil, Veneziano lamentou a postura de Bolsonaro, que já havia dado declarações em desfavor da OAB, questionando até a necessidade de sua existência, e que nesta segunda-feira (29), em entrevista, criticou o presidente Felipe Santa Cruz e atingiu o seu pai, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, desaparecido durante a ditadura militar.

Segundo Veneziano, a infeliz declaração do presidente é uma falta de respeito aos advogados, à OAB e ao seu presidente, e também à memória e aos demais familiares do advogado Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira. “Só tenho a lamentar a falta de respeito. Primeiro a uma instituição que é tão cara ao pleno exercício da boa justiça, e à classe dos advogados; e lastimar mais uma temerária e inconcebível provocação e agressão de cunho pessoal e institucional do presidente”, disse Veneziano.

Ao prestar solidariedade aos advogados, à OAB e ao seu presidente, Veneziano, também na qualidade de advogado e membro da OAB, lamentou a fala de Bolsonaro. “Minha solidariedade ao presidente Felipe e à instituição OAB, minha repulsa e indignação às palavras, mais uma vez inconcebíveis, agressivas e absolutamente inoportunas do presidente da República contra a instituição, o seu presidente e, acima de tudo, contra a memória do advogado Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira”.

A OAB Nacional emitiu uma Nota na qual lamenta a postura do presidente Jair Bolsonaro, lembrando que as autoridades brasileiras devem “obediência à Constituição Federal”, que tem entre seus fundamentos “a dignidade da pessoa humana, na qual se inclui o direito ao respeito da memória dos mortos”, lembrando que é vedado a quem ocupa o cargo de presidente da República “atentar contra os direitos humanos”.

Sobre Fernando Augusto de Santa Cruz – O pai do atual presidente da OAB militou no movimento estudantil e participou da Juventude Universitária Católica (JUC), movimento da Igreja reconhecido pela hierarquia eclesiástica, e depois integrou a Ação Popular (AP), organização de esquerda contrária ao regime, segundo apurou o G1.

Fernando desapareceu em um encontro que teria no Rio de Janeiro, em 1974, com um colega militante, Eduardo Collier Filho, da mesma organização. Segundo o livro ‘Direito à memória e à verdade’, produzido pelo governo federal, Fernando e o colega foram presos juntos em Copacabana por agentes do DOI-CODI-RJ em 23 de fevereiro daquele ano.

 

Assessoria

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Liderança em Cabedelo troca de sigla mas ratifica sintonia com Vitor Hugo

Não haverá alteração, mínima que seja, na relação política da presidente da Câmara de Vereadores de Cabedelo, Graça Rezende, com o prefeito Vítor Hugo, por conta da filiação do ex-prefeito…

Veneziano garante trabalhar por fim de impasse no PSB-PB: “Precisamos estar unidos”

O conflito interno vivido pelo PSB-PB tem dividido opiniões de integrantes da sigla. Há quem defenda a permanência de Edvaldo Rosas da presidência estadual da legenda, mas há também aqueles…