A crise interna dentro do PSB paraibano, ainda parece estar longe de uma resolução pacifica, apesar de muitos defenderem o dialogo entre o atual governador João Azevêdo e o ex-governador Ricardo Coutinho (ambos PSB), em entrevista recente a deputada estadual Estela Bezerra (PSB) deu a entender que a carta enviada pelo governador João Azevêdo para a reunião do diretório nacional, pode não ter sido escrita por ele.

Apesar de destacar não ver motivos para o distanciamento entre João Azevêdo e o ex-governador Ricardo Coutinho, ela opina sobre a carta atribuída ao governador e enviada ao diretório nacional do PSB. “Distanciamento só se dá pela política. Se ela não tem consistência, não podemos ter quebra de unidade. Não se pode ter vaidade nisso, o que precisa ter é o interesse do povo acima dos interesses pessoas e particulares”, destacou a deputada Estela Bezerra.

Sobre a carta enviada pelo governador João Azevêdo, a deputada disse. “Achei de mal tom, mal escrita e com argumentos sem consistências. Achei uma carta muito delicada, mas acredito que o diálogo é superior a qualquer ideia pré-estabelecida. Percebemos que a carta foi escrita por algumas mãos que querem a discórdia”, afirmou.

Já a deputada Cida Ramos, o colega de partido, o deputado Ricardo Barbosa, é o responsável por fazer a pequena política e promover a desagregação. “Acho que isso é muito pequeno na política. O que João precisa nessa Casa e eu tenho me colocado em defesa do projeto, é votar em todas as matérias do governo. É muito triste que um líder, que precisa garantir a unidade, esteja promovendo a desagregação”, disse, afastando a possibilidade de um rompimento interno.

 

Redação

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: RC peca ao agredir pares e comete “suicídio” político

As variantes são interessantes e diversas, é claro! Elas se desviam dos padrões, teorias e premissas acadêmicas. Um bom português e argumentações “lógicas” não condizem com a realidade absoluta. A…

Opinião: Ricardo Coutinho não se aproximará de Cartaxo, pois o antagonismo de ideias sepulta relações políticas

E permanece assim: “Que nenhum homem bom deve mentir”. Dessa forma, o filósofo católico Santo Agostinho, em sua obra intitulada “Sobre a Mentira”, asseverou com a mais pura razão o…