Ao lado da vice governadora Lígia Feliciano, o governador João Azevêdo (PSB), negou as especulações de que estaria prestes a migrar para o Partido Democrático Trabalhista (PDT), devido a crise instalada no PSB paraibano e do distanciamento político com o ex governador Ricardo Coutinho.

Apesar da crise socialista, João afastou a possibilidade de se filiar ao partido que carrega nomes filiados como o do deputado federal, Damião Feliciano e de sua esposa, vice-governadora Lígia Feliciano.

– Não. Infelizmente, vocês que fazem jornalismo, tem o livre arbítrio de escreverem o que querem. Eu fui a Brasília, tratei de uma reunião com bancadas e lá estive com vários deputados. Só que alguém escolheu uma foto minha e escreveu aquilo ali. Por isso, você deve perguntar ao jornalista que escreveu – disse Azevêdo.

A permanência no partido socialista também tem atiçado a curiosidade dos paraibanos, no entanto, o governador já antecipou que essa pauta não será a da vez.

– Não. Essa é uma discussão que vai ficar para o futuro – disse.

Ele veio anunciar um pacote de obras e serviços que contemplam a Rainha da Borborema, diante dos seus 155 anos de emancipação política, comemorados no dia 11 de outubro.

SL
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião – O coronavírus: o perfeito desastre para o capitalismo do desastre

A atual pandemia do coronavírus representa uma oportunidade única para repensarmos o nosso modo de habitar a Casa Comum, a forma como produzimos, consumimos e nos relacionamos com a natureza.…

Justiça mantém para 4 de abril prazo para filiação de partidos e nega pedido do PP

O Plenário da Corte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve a data de 4 de abril como limite para filiação a um partido político visando concorrer às eleições municipais de…