Por pbagora.com.br

A edição do Correio Brasiliense desta segunda-feira (20) traz matéria sobre uma grave denúncia envolvendo o irmão da prefeita Cozete Barbosa (PT), Antonio Barbosa “Bala”. Segundo o jornal, pesa contra ele denúncia de um jornal de promoção pessoal usando a franquia do Senado.

Ex-presidente do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF), atualmente “Bala” é funcionário comissionado da Liderança do PTB na cota do senador Sérgio Zambiasi (PTB-RS).

Segundo a denúncia, que está engavetada, segundo o jornal, no gabinete do senador Romeu Tuma (DEM), corregedor do Senado, Antonio Barbosa é acusado de utilizar os serviços postais da Casa para enviar pelo correio um jornal de promoção pessoal — no caso, uma publicação de quatro páginas sobre temas farmacêuticos com tiragem superior a 2 mil exemplares.

Mais conhecido na Paraíba pelo apelido de “Bala”, Antonio Barbosa da Silva já foi candidato ao Senado em 2002, e a deputado federal, em 2006, na Paraíba, onde mantém laços familiares.

 

Veja a matéria, na íntegra:

 

Serviço postal para beneficiar terceiros

CONGRESSO
Comissionado da Liderança do PTB, Antonio da Silva é acusado de enviar um jornal de promoção pessoal usando a franquia do Senado
Macelo Rocha

Sem jamais ter recomendado a cassação de um colega em 14 anos como corregedor do Senado, Romeu Tuma (PTB-SP) tem em mãos denúncia sobre supostas irregularidades atribuídas a gente ligada a seu partido. O caso envolve o uso de franquia postal da Casa. Chegou à mesa dele há mais de dois meses, mas segue no ritmo que deu ao “xerife” do Senado a fama de engavetador. A suspeita recai sobre o servidor Antonio Barbosa da Silva, funcionário comissionado da Liderança do PTB na cota do senador Sérgio Zambiasi (PTB-RS). Ex-presidente do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF), Barbosa é acusado de utilizar os serviços postais da Casa para enviar pelo correio um jornal de promoção pessoal — no caso, uma publicação de quatro páginas sobre temas farmacêuticos com tiragem superior a 2 mil exemplares.
 

O material chegou aos destinatários exibindo um carimbo do Senado Federal e o número 536/2005, referente ao contrato de serviços postais mantido com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A Coordenação de Atividades Externas (Coatex), subordinada à Diretoria-Geral da Casa, confirmou ao Correio que a publicação saiu do Congresso em 22 de dezembro do ano passado. Em 10 de fevereiro, a atual direção do CRF-DF denunciou o caso a Romeu Tuma. Procuradas pela reportagem, as assessorias de Tuma e Zambiasi não se entendem sobre as eventuais providências que já teriam sido adotadas na apuração. A do corregedor informa que ele pediu explicações ao colega e aguarda uma resposta. Na versão de assessores do parlamentar do Rio Grande do Sul, porém, ele já respondeu e se isentou de responsabilidade pelo envio do material pelo correio.
Tuma já comentou com assessores que pretende repassar a denúncia a outra instância, provavelmente à Diretoria-Geral, por entender que o caso não envolve parlamentares.

Ligações
Graças ao vínculo com Sérgio Zambiasi, Antonio Barbosa tem exercido funções comissionadas nos cinco últimos anos. Em 2003, foi nomeado para a Quarta-Secretária, então comandada pelo petebista. Em 2007, transferiu-se para a Liderança do PTB, quando o parlamentar passou a ser vice-líder do partido. Zambiasi tem dado uma força e tanto ao assessor. Foi com a ajuda do congressista que Barbosa conseguiu, sem tirar um centavo do bolso, o auditório Petrônio Portela para realizar no Senado seminários sobre medicamentos. O último ocorreu em dois dias do mês de junho passado.
 

Apesar de todo o trânsito na Casa, Barbosa parece não ser uma pessoa tão presente no lugar. Na quinta-feira, o Correio tentou localizá-lo na Liderança do PTB, mas um funcionário afirmou não conhecê-lo. Na sexta, a reportagem retornou ao local e foi orientada a procurar o gabinete de Zambiasi. Já no gabinete do parlamentar, um primeiro servidor abordado também falou que não conhecia o farmacêutico. A secretaria acionou um segundo funcionário, que providenciou um número de celular.
 

Por telefone, Barbosa justificou que não frequenta o Senado há cerca de três meses por causa do recesso parlamentar, ainda no mês de janeiro, e por férias acumuladas. Disse que pretende retomar as atividades a partir desta semana. O ex-presidente do CRF-DF admitiu que a publicação foi remetida pelo Senado, mas não soube apontar com certeza quem providenciou o envio do material usando a franquia postal da Casa — se o gabinete de Sérgio Zambiasi, se a Liderança do PTB ou outro setor.
 

“Esse material nada mais é que uma prestação de contas do seminário que tem sido realizado há anos com o apoio do Senado. Não tem finalidade de promoção pessoal. Essa denúncia é perseguição política”, alegou o farmacêutico, que colecionou 14 anos de uma polêmica administração à frente do CRF-DF. O Correio teve acesso a um exemplar do periódico. Ele traz na capa uma foto de Barbosa, informações sobre sua atuação profissional — ele é conselheiro federal de farmácia e presidente de uma entidade chamada Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários dos Medicamentos (Idum). Somente numa página interna do jornal há um registro sobre a realização do seminário no Senado.

Frase
“Não tem finalidade de promoção pessoal. Essa denúncia é perseguição política”
Antonio da Silva, servidor do Senado

Memória
Denúncias arquivadas
 

O senador Romeu Tuma (PTB-SP) desempenha a função de corregedor há 14 anos, desde a criação do órgão responsável por apurar eventuais deslizes éticos dos parlamentares. Apelidado de “xerife”, tem fama de bom investigador por ter atuado como delegado e ex-diretor da Polícia Federal. No Senado, porém, as promessas de apuração têm saldo negativo. Ele reivindica, por exemplo, feitos como a cassação de Luiz Estevão, em 2000, e a renúncia de Jader Barbalho (PMDB-PA), em 2001.
 

Mas a história não é bem essa. No primeiro caso, Tuma apenas analisou, na Comissão de Constituição e Justiça, o mérito constitucional de parecer do senador Jefferson Péres (PDT-AM), já falecido, favorável à perda do mandato de Estevão. Em relação a Jader, Tuma, também com Péres, fez o relatório que autorizava a abertura de processo contra o peemedebista. Jader renunciou.
 

Em 2008, o corregedor arquivou, sem ouvir qualquer testemunha, denúncia contra o então primeiro-secretário da Casa, Efraim Morais (DEM-PB), e sobre licitações no Senado. No ano anterior, anunciou para a imprensa que apuraria as suspeitas de corrupção contra o recém-empossado Gim Argello (PTB-DF), que assumiu a vaga de Joaquim Roriz (PMDB-DF). Dias depois, enterrou o caso. Em 2007, fez alvoroço em torno das denúncias contra Renan Calheiros (PMDB-AL), então presidente do Senado. Abriu investigações, mas jamais as concluiu. Alegou que o Conselho de Ética assumiu a tarefa.
(MR).

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Twitter diz que post de Bolsonaro sobre ‘tratamento precoce’ da Covid viola regras

Rede social colocou alerta sobre ‘publicação de informações enganosas’. Este tipo de medida restringe a circulação do tuíte, mas ele continua disponível na rede social. O Twitter colocou por volta…

Efraim Filho destina quase R$1 milhão para construção de matadouro na PB

O prefeito de São Bento, Jarques Lúcio da Silva II, assinou, Na última quarta-feira (13), um contrato de repasse com a Caixa Econômica Federal (CEF), no valor de R$ 995.000,00…