Por pbagora.com.br

De acordo com o professor e cientista político Augusto Teixeira, mesmo observando a situação atual das siglas partidárias não deve ocorrer o esfacelamento do sistema partidário no sentido ideológico. “A muito ele não é caracterizado por um forte componente ideológico, vide a própria fragmentação partidária. Espero que com a minireforma eleitoral de 2015 logremos a redução do número de partidos e a relação eleitor partido possa ser reforçada pelo fim das coligações no próximo pleito”, destacou.

 

Para Teixeira, os partidos como máquina partidária são importantes para conquistar recursos e poder institucional. Ele entende que isso não impede que nos diversos níveis os partidos tenham caciques que imprimem uma lógica de ganho próprio ao invés de uma coerência partidária.

 

“O componente ideológico não é o forte de nossas legendas. Nesse sentido, o comportamento aparentemente infiel é explicado por uma lógica racional que reforça o cacique, a versão local do partido. No segundo turno vários partidos liberaram as bases para apoiar quem quisessem ao declarar neutralidade. É reforço do localismo na arena política”, afirmou.

 

 

Redação

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

PB Agora/Datavox: aprovação da gestão João Azevêdo chega a 84,1% em Triunfo

A gestão do governador João Azevêdo (Cidadania) é aprovada por 84,1% da população do município de Triunfo, na Paraíba. Os números são resultados da pesquisa Datavox/PB Agora realizada na cidade,…

Em JP: Cícero aborta qualquer possibilidade de disputar vaga de vice

O pré-candidato à PMJP, Cícero Lucena (Progressistas), negou nesta sexta-feira (07) encontro com o senador José Maranhão visando apoio ou uma possível colocação de vice na chapa do MDB à…