Por pbagora.com.br
Foto: Reprodução / G1

O pedido de exoneração do ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, no início da tarde desta sexta-feira (15) desencadeou uma onda de choque similar aos efeitos colaterais de terremotos ou de uma erupção vulcânica submarina. Ou seja: uma vasta e furiosa tsunami política e econômica que assolou novamente o Brasil. O quadro já não era promissor, e agora pode ser chamado de catastrófico.

Para piorar a “tempestade perfeita”, todos sabem que existe (isso é fato) uma pandemia causada pelo novo coronavírus que já ceifou milhares de vidas em todos os continentes. No Brasil foram registradas 14.455 mortes provocadas pela Covid-19 e 212.198 casos confirmados da doença em todo o país até esta sexta (15).

E no meio de todo esse caos, de repente, o presidente Jair Bolsonaro acordou de mau humor na manhã de hoje e resolveu intimar Nelson Teich para uma reunião de emergência. Nela, o ex-ministro entregou o cargo mostrando tristeza por não ter cumprido sua missão. A missão de salvar vidas como médico e chefe do Ministério da Saúde.

Teich praticamente entrou mudo e saiu calado da pasta que comandou por breves 28 dias. Além do mau humor de Bolsonaro, contribuiu para o desgaste do ex-ministro seu embate direto com o presidente da República.

Opiniões divergentes, Bolsonaro exige o uso quase indiscriminado da cloroquina nos pacientes acometidos pela Covid-19, além do desejo de flexibilizar, ou até aniquilar o isolamento social por entender que tal expediente é devastador para a economia do país.

Teich, como seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta, foram contra e seguiram as orientações de especialistas e da própria Organização Mundial da Saúde. Existe, também, um protocolo avalizado pelo Conselho Federal de Medicina que só é aconselhável o uso da cloroquina em pacientes graves, mesmo assim após um parecer médico e a assinatura do paciente.

Bolsonaro e seu castelo de areia

O problema central de Bolsonaro é que ele, como chefe de Estado, não consegue dialogar com seus ministros, auxiliares diretos, prefeitos e governadores. “Exijo e ponto final!”. Ele gosta dessa frase imperativa.

E aí tudo azeda, chegando ao ponto do castelo de areia que estava quase sólido desabar. Tudo isso acontecendo em meio à pandemia que o presidente sempre busca minimizar.

As reações após a saída de Teich

As reações após o pedido de exoneração de Nelson Teich foram de surpresa, perplexidade e certo amargor ou desespero. Diferente do “E daí?” de Bolsonaro sobre as mortes provocadas pelo novo coronavírus, o que se ouviu, inclusive de muitos que apoiam o [mito] no Congresso e nos altos escalões do governo foi um silencioso: “E agora?”.

Julian Lemos

Preciso nos seus comentários, o deputado federal Julian Lemos (PSL), antes defensor do projeto de Bolsonaro, disse após a saída de Teich : “Na realidade não me surpreende. Eu já havia falado que alguém que fosse assumir essa pasta na gestão Bolsonaro teria que fazer duas coisas: primeiro, se anular como pessoa, porque não iria poder opinar, e segundo seria rasgar seu diploma de médico”.

Geraldo Medeiros

Após a saída do ministro da Saúde Nelson Teich, o secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, demonstrou preocupação com a instabilidade do cargo em meio à pandemia do novo coronavírus.

Diante da possibilidade de indicação do general Eduardo Pazuello para a pasta, Medeiros acredita que, por ser militar, ele possa ter uma melhor relação com o presidente da República.

Atualmente Pazuello ocupa a função de secretário-executivo do Ministério da Saúde. “Esperamos que ele adote essa interlocução fácil e célere no sentido em que os estados possam ser supridos com insumos e respiradores, além de todos os instrumentos que possam melhorar a assistência à saúde dos brasileiros”.

Luciano Cartaxo

O prefeito Luciano Cartaxo também reagiu com perplexidade à troca de ministros na pasta da Saúde em meio à pandemia do coronavírus. Ele revelou em sua página no Twitter preocupação: “Em menos de um mês, o Brasil assiste à segunda mudança no Ministério da Saúde, que deveria liderar o combate à pandemia. É muito preocupante esta situação, justo em um momento tão grave, de crescimento da propagação do vírus.”

Efraim Filho

O deputado federal Efraim Filho (Democratas) foi outro que lamentou a saída de mais um ministro da Saúde em meio à pandemia. Disse ele: “Nelson Teich parte sem deixar saudades. A impressão é de que ele nunca assumiu realmente. Foi praticamente um mês perdido de Ministério da Saúde no ponto mais crítico da pandemia”.

João Azevêdo

O governador João Azevêdo também mostrou preocupação com o pedido de exoneração de Teich. O chefe do executivo estadual se perguntou onde o Brasil irá chegar, sem avanços federais no combate à proliferação do novo coronavírus. “Infelizmente um mês sem avançarmos e agora mais um vácuo que será criado na gestão da Saúde no país, no pior momento da crise sanitária vivida no Brasil. Onde iremos parar?” questionou.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Emenda do senador Veneziano garante ambulância para o Hospital Regional de Queimadas

O senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) esteve na última sexta-feira (23) na solenidade de entrega de uma ambulância ao Hospital Regional de Queimadas. Também participaram da entrega representantes do…

Paraibana candidata a vice-prefeita de Boa Vista morre de Covid-19

A candidata à vice-prefeita de Boa Vista, capital de Roraima, na chapa do MDB, Edileusa Loz, morreu aos 57 anos, vítima da covid-19, na manhã deste domingo (25). A informação…