Desde que a Sexta Turma do STJ, quase que por unanimidade, decidiu que o ex-governador Ricardo Coutinho deveria permanecer em liberdade, na Capital e no resto do Estado a pergunta é uma só: RC será mesmo candidato à sucessão do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo?

Há muitas dúvidas e turbilhões de águas a rolar sob a ponte. Mas existe uma certeza: se por qualquer motivo Ricardo Coutinho não for candidato a prefeito de João Pessoa, terá um papel muito importante nesse processo, sobretudo pelo indiscutível recall que amealhou ao longo de uma das mais bem-sucedidas trajetórias políticas da história da Paraíba. Ricardo não foi só um grande gestor; foi também protagonista de um ousado projeto que mudou radicalmente o cenário da política paraibana, derrotando “imbatíveis” e enterrando oligarquias. Portanto, não há como negar que um político com este perfil, em quaisquer que sejam as circunstâncias que lhe cercam, terá grande influência (talvez decisiva) em qualquer processo eleitoral.

Topa ou não topa?
Quanto a disposição de Ricardo Coutinho para disputar a Prefeitura de João Pessoa ninguém duvida. Entretanto, a Operação Calvário é um corcovado no seu caminho, no que pese as duas vitórias que ele obteve no STJ e STF, em menos de 24 horas, uma mantendo-lhe em liberdade e em condições de elegível e outra determinando que o Gaeco ofereça total acesso aos advogados do ex-governador a todas às provas decorrentes da investigação em curso.

Em meio a tudo isso, a maior certeza é de que Ricardo Coutinho terá opinião e lado, sobretudo, com relação à sucessão do prefeito Luciano Cartaxo. E rezem e acendam muitas velas os adversários, para que Ricardo não chegue em tempo hábil na condição de elegível e, portanto, pronto para enfrentar a disputa. Afinal, apesar de tudo, num cenário de notória pobreza de liderança, é provável que o ex-prefeito de João Pessoa e ex-governador da Paraíba seja um grande empecilho para esse monte de cacareco (com honrosas exceções) que está se apresentando para a disputa.

Mais uma
O ex-governador Ricardo Coutinho obteve mais uma vitória no âmbito da Justiça, desta vez no STF: o ministro Gilmar Mendes determinou que os advogados de defesa de RC tenham acesso às provas obtidas pelo Gaeco, do Ministério Público da Paraíba, no âmbito da Operação Calvário.

E eu, na minha santa ignorância, pensava que naturalmente a defesa já tinha acesso. Afinal, como defender um acusado sem saber o que pesa contra ele?

 

Wellington Farias
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: pandemia causada pelo coronavirus zera o quadro sucessório para 2020. Aliás, haverá eleição?

O mundo parou precavido e assombrado com a pandemia do Covid-19 (coronavirus). Não foi diferente no cenário político da Paraíba: houve um desaquecimento total das pré-campanhas, até porque os pretensos…

Plano de retomada gradual de negócios propõe retorno de setores a partir de quarta

O deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar de Empreendedorismo e Desenvolvimento Econômico, Eduardo Carneiro (PRTB), protocolou, na tarde desta sexta-feira (27), junto ao gabinete do governador João Azevedo, a…