(Brasília – DF, 24/03/2020) Pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro em Rede Nacional de Rádio e Televisão. Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Messias Bolsonaro ainda tem dois anos e seis meses de mandato, mas a sensação é de que o governo chegou ao fim.

Para ser mais preciso, na verdade a sensação é de que a gestão de Jair Bolsonaro nunca começou. Desde que assumiu o “mito” não tem feito outra coisa a não ser provocar polêmica, atentar contra o estado democrático de direito, se confrontar com as instituições e amealhar gritinhos de uns pobres coitados que diariamente frequentam o cercadinho nos arredores do Palácio da Alvorada.

Ops, justiça se faça: Bolsonaro conseguiu levar a cabo o projeto de reforma da Previdência que, justiça também se faça, foi iniciado na gestão do seu antecessor, Michel Temer.

Para ser ainda mais justo, temos que afirmar que a reforma da Previdência também não teria logrado êxito não fosse a articulação do presidente Câmara Federal, Rodrigo Maia; e que, este projeto extremamente nocivo à classe trabalhadora, só passou porque atendia aos grandes interesses econômicos, muito mais representado no Congresso do que a maioria do povo brasileiro, que é quem elege os congressistas.

Fogo morto
Jair Bolsonaro talvez por ter saído da condição de um reles deputado de um baixíssimo clero e chegado à Presidência da República cometeu o equívoco de achar que, por haver chegado ao posto mais relevante da República, faria tudo o que lhe desse na telha. Não mediu consequências para ir às ruas ao lado de fanáticos e fascistas que, ao toque do berrante, foram fazer pantomimas a frente dos quartéis, pedindo intervenção militar e a volta do Ato Institucional nº 5 (AI-5).

Como se não bastasse, o presidente da República numa clara alusão a mais alta Corte do país, o Supremo Tribunal Federal (STF), chegou a fazer ameaças dizendo que “basta”, como se a partir dali qualquer que fosse a movimentação do STF que o contrariasse haveria rebordosa.

Bastou mesmo
Jair Bolsonaro deu um basta aos seus próprios arroubos antidemocráticos. A partir da sua ameaça, o que se viu foi o sistema de justiça começar a agir, coincidente ou não: bolsonaristas atirados e eufóricos nas suas investidas contra a democracia e o STF foram presos e até o sumido Fabrício Queiroz, pelo qual o Brasil tanto procurava a mais de um ano, terminou sendo achado e preso dentro da casa de um advogado, que esta semana declarou: “eu e Bolsonaro somos a mesma pessoa…”

Ponto final
A prisão do Queiroz parece ter sido um ponto final no assanhamento antidemocrático de Jair Bolsonaro, como também no seu governo.

Notem que, a partir daquele basta de Bolsonaro e após as movimentações do Sistema de Justiça, o presidente da República perdeu a embocadura de trombetear contra a democracia e, sobretudo, contra o Supremo Tribunal Federal.

Agora, Bolsonaro trombeteia pianíssimo…

 

Wellington Farias
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vereador cobra revisão participativa no Plano Diretor de Campina Grande

O vereador Olimpio Oliveira conseguiu na última terça-feira (07), na Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG), a aprovação do requerimento n° 1.170/2020 que requer a formalização do processo de reforma…

Romero deve liberar bares, restaurantes e academias nas próximas semanas em CG

Por meio de sua assessoria o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, com base no relatório técnico do Governo do Estado, deve anunciar um decreto com a nova fase de…