Por Wellington Farias
Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Messias Bolsonaro ainda tem dois anos e seis meses de mandato, mas a sensação é de que o governo chegou ao fim.

Para ser mais preciso, na verdade a sensação é de que a gestão de Jair Bolsonaro nunca começou. Desde que assumiu o “mito” não tem feito outra coisa a não ser provocar polêmica, atentar contra o estado democrático de direito, se confrontar com as instituições e amealhar gritinhos de uns pobres coitados que diariamente frequentam o cercadinho nos arredores do Palácio da Alvorada.

Ops, justiça se faça: Bolsonaro conseguiu levar a cabo o projeto de reforma da Previdência que, justiça também se faça, foi iniciado na gestão do seu antecessor, Michel Temer.

Para ser ainda mais justo, temos que afirmar que a reforma da Previdência também não teria logrado êxito não fosse a articulação do presidente Câmara Federal, Rodrigo Maia; e que, este projeto extremamente nocivo à classe trabalhadora, só passou porque atendia aos grandes interesses econômicos, muito mais representado no Congresso do que a maioria do povo brasileiro, que é quem elege os congressistas.

Fogo morto
Jair Bolsonaro talvez por ter saído da condição de um reles deputado de um baixíssimo clero e chegado à Presidência da República cometeu o equívoco de achar que, por haver chegado ao posto mais relevante da República, faria tudo o que lhe desse na telha. Não mediu consequências para ir às ruas ao lado de fanáticos e fascistas que, ao toque do berrante, foram fazer pantomimas a frente dos quartéis, pedindo intervenção militar e a volta do Ato Institucional nº 5 (AI-5).

Como se não bastasse, o presidente da República numa clara alusão a mais alta Corte do país, o Supremo Tribunal Federal (STF), chegou a fazer ameaças dizendo que “basta”, como se a partir dali qualquer que fosse a movimentação do STF que o contrariasse haveria rebordosa.

Bastou mesmo
Jair Bolsonaro deu um basta aos seus próprios arroubos antidemocráticos. A partir da sua ameaça, o que se viu foi o sistema de justiça começar a agir, coincidente ou não: bolsonaristas atirados e eufóricos nas suas investidas contra a democracia e o STF foram presos e até o sumido Fabrício Queiroz, pelo qual o Brasil tanto procurava a mais de um ano, terminou sendo achado e preso dentro da casa de um advogado, que esta semana declarou: “eu e Bolsonaro somos a mesma pessoa…”

Ponto final
A prisão do Queiroz parece ter sido um ponto final no assanhamento antidemocrático de Jair Bolsonaro, como também no seu governo.

Notem que, a partir daquele basta de Bolsonaro e após as movimentações do Sistema de Justiça, o presidente da República perdeu a embocadura de trombetear contra a democracia e, sobretudo, contra o Supremo Tribunal Federal.

Agora, Bolsonaro trombeteia pianíssimo…

 

Wellington Farias
PB Agora

Por Wellington Farias

Notícias relacionadas

MPF aponta que superfaturamento do caso Desk teria ido do governo Maranhão ao de RC

Após o Ministério Público Federal ter denunciado nessa quinta-feira (6), os ex-secretários de Educação da Paraíba, Francisco Sales Gaudêncio e Afonso Celso Caldeira Scocuglia por suposto envolvimento em esquema de…

Opinião: Santiago se livra de constrangimento de ficar no PTB e vira ‘noiva cobiçada’ de partidos

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, atirou no que viu, e acabou acertando no que não viu. E, por tentar se adequar a cada governo que passa, agora caminha…