As manifestações pró-Bolsonaro foram registradas em 22 estados e o Distrito Federal. Atos ocorreram em 122 cidades, havendo uma maior musculatura nas regiões Sul e Sudeste. Efetivamente ficou patente que o país está “partido”. Uma polarização acentuada entre os bolsonaristas e os que comungam ideias socialistas, estando inserido como principal rival do presidente o Partido dos Trabalhadores.

Foi notada nas manifestações realizadas neste domingo a popularidade que Bolsonaro possui entre seus “súditos”. Eu escrevi “súditos. Para se ter uma ideia, na Avenida Paulista, região central de São Paulo, foram ocupados seis quarteirões. O que é muito. 

No Rio, o ato se concentrou na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana. O ato se espalhava por sete quarteirões. Já no Nordeste as reações foram mais pífias, justamente por ser a região a qual o “capitão” foi “esmagado”, perdendo em todos os estados para Fernando Haddad.

Seguindo ainda a linha da “contabilidade”, as manifestações pró-Bolsonaro rivalizaram com os atos realizados no último dia 15, contra os cortes na educação. As deste domingo, dentre tantos gestos e reivindicações,  manifestantes tinham suas baterias apontadas para o Congresso e Supremo Tribunal Federal.

Alguns manifestantes vestiam as cores do Brasil e carregavam cartazes em defesa da reforma da Previdência, da MP 870, que reorganiza os ministérios, do pacote anticrime e da CPI da Lava Toga. E o saldo desses atos para o governo Bolsonaro?

Mobilização dará “fôlego” falso a Bolsonaro

Bem, aí já outra história. O presidente, caso seja contagiado de forma efetiva com o resultado do “levante” em seu favor, poderá piorar ainda mais seu já desgastado relacionamento com o Congresso e aumentar a tensão com o Judiciário.

E mesmo com a mobilização deste domingo, os problemas estruturais da administração de Bolsonaro não devem cessar, uma vez que o “autor pela obra”, aqui utilizando uma figura de linguagem, se confunde.
 
Hoje temos um choque entre a identidade do  governo e as necessidades do presidente. Um gestor que prefere defender a ferro e fogo seus familiares, e jogar na vala, sem o menor pudor,  ministros e interesses nacionais.

Em suma: as manifestações de hoje, embora possam dar ao presidente um falso fôlego, acentuará ainda mais a crise das instituições. 

 Ao longo dos seus cinco meses de gestão, poucas vitórias do ponto de vista político surgiram, e um turbilhão de derrotas foram contabilizadas; muito em função do conhecido “centrão”. É bom frisar que, ao ser eleito, Bolsonaro deveria governar para todos. 

Buscar a unidade do país. Mas exclui chances após chances pelo temperamento destemperado, criando, inclusive, um fosso com a ala militar do seu governo. E o seu vice Mourão é um deles.

Ato pode aumentar o “fosso político” entre Executivo e legislativo 

Por fim, as manifestações terão, em curto prazo, efeito adverso. O Congresso sentirá que o Executivo busca “emparedá-lo” e aí revezes virão em massa caso o diálogo não seja estabelecido entre as partes envolvidas.

E nesse embate controverso, as reformas necessárias para o crescimento do país provavelmente não virão. Não com gritinhos no meio da rua ou chiliques nas redes sociais, em especial o Twitter.

Grupos de direita boicotam o ato

Aqui vale lembrar a ausência de importantes grupos de direita que se ausentaram das manifestações, como  o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua. Eles não participaram havendo como alegação que os atos deste domingo poderiam ter um viés autoritário, estando na pauta o fechamento do Congresso e Supremo Tribunal Federal, ferindo gravemente a Constituição e a própria democracia nacional.

Eliabe Castor
PB Agora

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: Estaria o ex-governador Ricardo Coutinho forçando João Azevêdo se tornar um político tradicional?

Neste novo cenário que se constrói – a partir de um rompimento político entre ambos – estaria o ex-governador Ricardo Coutinho transformando João Azevêdo numa figura política, no sentido mais…

“De minha parte não vou colocar nenhuma lenha na fogueira”, disse Veneziano sobre crise no PSB

Ainda sobre a entrevista do senador Veneziano Vital do Rêgo ontem (12), numa emissora da capital, quando questionado sobre a crise interna no PSB, o socialista adotou a medida do…