E disse Deus: ”Haja luz; e houve luz”. A passagem bíblica é tomada por minha pessoa apenas como figura literária e decorativa, para tentar “iluminar” o que está a ocorrer na Prefeitura Municipal de João Pessoa, em especial os “cochichos sigilosos” captados em áudio por um (a) “araponga”,  envolvendo os secretários municipais Adalberto Fulgêncio e Diego Tavares, respectivamente titulares da pasta da Saúde e Desenvolvimento Social.

 

Nessas conversas do “além”, existem dois momentos; o primeiro, datado de 11 de fevereiro e muito bem relatado em artigo escrito pelo cientista político  Flávio Lúcio, em seu blog pessoal.  Ressalta o acadêmico:

Há quase dois meses, a Paraíba se estarrece ouvindo gravações de obscuras conversas realizadas no interior de gabinetes da Prefeitura de João Pessoa.

A primeira gravação que veio a público foi em 11 de fevereiro e envolvia, como interlocutores, conhecidos figurões da administração municipal: o secretário de saúde, Adalberto Fulgêncio, e o secretário de desenvolvimento social, Diego Tavares. Na conversa, os dois combinavam como desviar recursos da saúde pública pessoense.

Apesar de não participar das primeiras gravações, o nome de Cartaxo é citado de uma maneira que não deixa dúvida de que ele não apenas sabia do esquema, como o havia autorizado.

Num primeiro áudio, Adalberto Fulgêncio diz que pretende “resolver” a situação sem envolver diretamente Luciano Cartaxo. Em seguida, Diego Tavares deixa claro a pedido de quem eles agem: “Mandou, eu faço o que ele manda!”

Adalberto então expõe como pode atua: “Eu posso chegar pro cara da Kairós e dizer: ‘Thiago, quero 600 conto, vou te pagar essa porra agora”. A Kairós é uma empresa que presta serviços de segurança à PMJP”.

Dando um ponto continuado nas considerações do professor Flávio Lúcio, ressalta-se a conversa divulgada para o público, no dia 28 de março, com exclusividade pelo PB Agora, no blog do talentoso colega Wellington Farias.

 

Nos diálogos, dignos de um curta-metragem de terceira linha, outra voz surge, pertencente nada menos ao timbre de voz acentuado e vacilante do prefeito Luciano Cartaxo. Em “confissões” devidamente “criptografadas” e decifradas, podem-se ouvir os "gritos da ética" em plena solicitação de socorro.

Em partes escuras, obtusas, embora decifráveis, é ouvido em alto e quase bom som, até por surdos que habitam o deserto de Mojave, o seguinte:

Luciano: …mas a gente tem que pagar a mais pra poder pegar R$ 1 milhão.

Adalberto: Ah, tá certo, o senhor está certo (….).

Luciano: Tem que ser um que dê pra pagar de R$ 300 a 400 mil.

Adalberto: Eu acho que até R$ 2 milhões dá pra pagar, assim na zero zero. De R$ 1 milhão vai tirar R$ 200 mil”

 

Agora vem a genialidade do professor  Flávio Lúcio

 

Diz o cientista político: “Resta alguma dúvida sobre os objetivos dessas conversas entre agentes públicos? Se elas não são suficientes para comprovar uma ação organizada, uma simples consulta ao Sagres pode ajudar, no mínimo, a aumentar as “suspeitas”.

“Entre 2013 e 2018, foram empenhados recursos para a Kairós da ordem de R$ 25.413.641,86, e a empresa recebeu R$ 17.887.272. Uma diferença de quase R$ 8 milhões em créditos, o que representa quase um terço dos valores! Veja o print do Sagres”.

 

E seguindo os passos do docente, mostra-se ele livre de solilóquios individuais, estando uma formação de juízo de valor pautado sem o ranço ideológico da política partidária.

 

Como cidadão, indaga Flávio Lúcio, no que chama “Ato I”

 

“Bastou a desconfiança do Ministério Público de que era dinheiro o que o ex-assessor de Livânia Farias, Leandro Nunes, carregava numa caixa de vinho para que sua prisão fosse decretada e ele, mesmo com diploma Universitário, fosse encaminhado ao PB1.

 

Um mês depois da prisão, Leandro Nunes não resistiu e acabou por confirmar as suspeitas do MP, “confessando” que o que ele carregava naquela caixa era mesmo dinheiro. Em seguida, saiu da cadeia.

 

Não demorou muito para a prisão “preventiva” de Livânia Farias ser decretada. Livânia continua presa não se sabe até quando. Mesmo que seja inocente, porque a presunção de inocência foi abolida em alguns casos no Brasil, Livânia Farias vai pagar por esse crime pelo resto de sua vida”.

 

Bem, diante de tantos fatos, fotos e áudios,  termino minhas considerações com uma afirmação que, ao mesmo tempo, tem conotação de pergunta: “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia dos homens possa imaginar”. William Shakespeare.

 

Eliabe Castor com o blog Flávio Lúcio

 


Saiba mais sobre Certificação Digital no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Não tenho ganância pelo poder” diz secretário de Saúde sobre disputar PMCG

Apesar de ter seu nome cogitado como uma das opções do grupo do governador João Azevêdo, para a disputa pela Prefeitura Municipal de Campina Grande, o secretário de Estado da…

Presidente do PT-CG diz que partido deve ter candidatura própria

O Partido dos Trabalhadores (PT), deve ter candidatura própria em Campina Grande nas eleições deste ano, e encabeçar uma ampla frente em oposição ao candidato a ser apresentado pelo prefeito…