Por Eliabe Castor

O intrincado jogo de xadrez relativo às eleições municipais em João Pessoa vem ganhando mais peças na disputa. Nomes já postos como o deputado federal Ruy Carneiro (PSDB), o ex-deputado estadual Raoni Mendes (DEM), o comunicador Nilvan Ferreira (MDB) são alguns que merecem ser lembrados como prefeitáveis. Ainda há forte especulação em relação ao ex-senador Cícero Lucena, hoje filiado às hostes do Partido Progressista, o deputado Walber Virgolino (Patriotas) e seu colega na Assembleia Legislativa da Paraíba, Eduardo Carneiro PRTB.

Novos nomes na disputa

E como falei anteriormente, o jogo vem ganhando mais peças. Para colocar mais lenha na fogueira junina no grande “arraia” da Capital , o deputado federal Paulinho da Força, presidente nacional do Solidariedade, desembarcou no aeroporto Castro Pinto para lançar o vereador João Almeida como postulante do partido.

Não só colocou o nome de João Almeida na disputa como garantiu uma estrutura poderosa para dar força e visibilidade à futura candidatura do vereador. Satisfeito, o parlamentar afirmou à coluna que entrará nas eleições de forma real. “Não vou fazer figuração”, avisou.

PT entra na disputa

Na busca de reaver seu protagonismo político, muito afetado nas últimas eleições presidenciais, o Partido dos Trabalhadores já carimbou o nome do deputado estadual Anísio Maia para a disputa à prefeitura de João Pessoa. A garantia veio do presidente estadual do PT da Paraíba, Jackson Macêdo, e animou a militância, sempre forte, e o próprio parlamentar.

Esposa de RC pode ser mais uma candidata

E o jogo não pode parar. Outra que pode sair postulante é a esposa do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), Amanda Rodrigues, filiada ao mesmo partido do esposo. A presidente do diretório municipal do Partido Socialista em João Pessoa, Cassandra Dias, confirmou a possibilidade. Aliás, a coluna já havia ventilado essa perspectiva há algumas semanas. E se o fato, de fato, ainda não aconteceu, tem tudo para acontecer.

É muita gente para um só cargo

Pois bem leitor! Como se pode identificar é cacique demais para poucos índios. Ou muita gente disputando um só cargo. Mas o processo democrático permite e não impõe um número específico para prefeito, desde que cada partido tenha apenas um na disputa.

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Notícias relacionadas

MDB quer Nilvan na sigla, mas lutará por apoio à reeleição de João

Ter a permanência do comunicador Nilvan Ferreira nos quadros do MDB e, ao mesmo tempo, lutar para que os correligionários apoiem a reeleição do governador João Azevêdo (Cidadania) nas eleições…

Veneziano destina mais de R$ 16 milhões em emendas na área da Saúde para municípios

O Vice-Presidente do Senado Federal, Senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) teve uma semana bastante movimentada, em Brasília. Desde a segunda-feira (03), quando chegou à capital federal, até esta sexta-feira…