A guerra interna do PSB na Paraíba parece não ter fim, pondo a legenda em risco de “nanismo” naquela que já foi a agremiação partidária com maior poder político do estado. Primeiro surgiu todo o imbróglio da comissão provisória que rachou o partido, pondo o ex-governador Ricardo Coutinho de um lado e seu sucessor, João Azevêdo do outro.

A colisão dos líderes afetou as estruturas do partido socialista, que deve diminuir em tamanho e força política com a saída do governador João Azevêdo da sigla. Sua desfiliação deverá acorrer ainda este mês, provocando o chamado “efeito dominó”, no qual lideranças do partido acompanharão aquele que hoje ocupa o Palácio da Redenção.

É fato que a “hecatombe” já foi devastadora para o partido, mas pode piorar após a fala do presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, ao indicar o deputado federal Gervásio Maia para disputar a prefeitura de João Pessoa em 2020. Ecos já foram ouvidos, como a deputada estadual Cida Ramos que, mesmo polida em sua fala, afirmou que tudo será decidido quando a hora correta chegar, e as discussões passarão pelos diretórios estadual e municipal do PSB.

O problema central da questão reside na falta de comunicação; ou comunicação interna escolhida a dedo dentro das hostes socialistas, dificultando uma unidade que possa estancar a sangria que hoje debilita o PSB paraibano.

E nesse caldo complexo de desatinos e desacertos, o ex-governador Ricardo Coutinho terá que tomar decisões rápidas, assertivas e efetivas, caso contrário não só a sigla corre perigo de “extinção”, mas todo um projeto político iniciado desde 2005, quando ele assumiu a prefeitura da Capital.

E por falar na Capital, é preciso entender a “função” estratégica dos socialistas no que diz respeito a vencer as eleições em João Pessoa, caso o partido nutra o desejo de novamente crescer. Sem o governo do Estado na mão, e não havendo êxito na disputa pelo principal colégio eleitoral da Paraíba, o PSB, que já foi gigante, pode se tornar nanico em decorrência de uma antropofagia interna quase inconcebível para líderes políticos tão experientes.

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Eduardo defende ações permanentes de educação no trânsito

Por dia, 18 vítimas de acidentes de trânsito ficam inválidas e Eduardo defende ações permanentes de educação Os acidentes de trânsito no período de janeiro a outubro de 2019 ocasionaram…

Opinião: Paraíba, um estado de milícias, corrupção e moralidade jogada no lixo

A retidão de um ser humano é medida por seus atos pautados na ética e nos princípios morais que nos garantem o mínimo de civilidade e convivência mútua. E aqui…