A “Santa Ceia” foi posta à mesa. Ao centro, João começou a pregar, por parábolas, que a união entre os seres humanos tende a gerar bons frutos, e a política da discórdia fortalece, apenas, o exército oposicionista de Roma. Embora não possua um grande general, essa força legionária recebe a influência direta dos “senadores” decanos que, mesmo longe dos embates, têm força suficiente para golpear o Estado da Parahyba do Norte, havendo a possibilidade de uma desestabilização na condução administrativa e social do império da Terra do Sol.

O mestre João sabe e entende o perigo, prova maior é que, mesmo havendo uma “Babel” percorrendo todas as línguas dos que estão ao seu lado, busca conversar com cada um no idioma originário daquele que reclama, mas o apoia. Vê-se que pão e vinho estão sendo distribuídos de forma republicana, evitando a prática do fisiologismo tão aplicado, em outras eras, no Sinédrio paraibano.

E as vozes e tentações são muitas sobre aquele que ofereceu a ceia. Em algum momento, acredito eu, João, nascido em Azevêdo, local próximo à Galileia, lembrou dos 40 dias no deserto e, em lampejar de pensamento, lembrou dos grilos e gafanhotos. Esses nada pediam, apenas promoviam uma sinfonia desarmônica a cada noite de penitência.

Dez eram seus discípulo que buscavam tornar o Araimaco como a língua oficial. Agora são onze; e a Babel continua, havendo espaço para o latim, grego arcaico, hebreu e aremeu. Não fosse João um poliglota, a Parahyba do Norte poderia entrar numa espécie de colapso político, algo que a oposição romana sonha e deseja.

E para dificultar ainda mais a ceia do mestre João, Rômulo e Remo não aceitaram, de forma harmônica, a permanência de Rosas no Monte das Oliveiras, cujo platô é cercado por uma vasta plantação de girassóis. Como se vê, ouve e sente, João, de Azevêdo, possui grandes desafios na seara diplomática e política, e busca, ele, oferecer pão e o vinho na dose e quantidade correta, não pondo migalhas, evitando assim, fome e rebeliões, mas também não enchendo por completo as taças postas à mesa, para que a embriaguez do poder não se vire contra ele e sua gestão.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Tudo vai depender da situação de cada município”, diz Wilson Santiago sobre efeitos das mudanças eleitorais para 2020

Indicado pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, como o coordenador  no Nordeste  responsável pelas eleições municipais de 2020, o deputado federal paraibano e presidente estadual do PTB Wilson Santiago,…

Seleção empata contra Nigéria e mantém sequência de quatro jogos sem triunfo

A Seleção Brasileira empatou em 1 a 1 mais um amistoso, neste domingo (13), contra o time da Nigéria. O jogo aconteceu em Singapura, às 9h de Brasília. Com o…