Por pbagora.com.br

Em carta divulgada hoje (29), intitulada “Queremos verdade e paz!”, 16 governadores — entre eles João Doria (PSDB-SP), Rui Costa (PT-BA) e Flavio Dino (PCdoB-MA) — criticam a crescente difusão de fake news e cobram ações dos três Poderes. Eles afirmam que há uma “onda de agressões” que visam a “criar instabilidade institucional nos Estados e no País”.

“Conclamamos o Presidente da República, os Presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, bem como o Presidente do Supremo Tribunal Federal, para que adotem todas as providências de modo a coibir tais atos ilegais e imorais”, diz o texto.

Segundo a carta, “os estados e todos os agentes públicos precisam de paz para prosseguir com o seu trabalho, salvando vidas e empregos. Estimular motins policiais, divulgar Fake News, agredir Governadores e adversários políticos, são procedimentos repugnantes, que não podem prosperar em um país livre e democrático”. No trecho acima, a carta faz referência à morte do PM Wesley Soares.

No trecho acima, a carta faz referência à morte do PM Wesley Soares. O policial militar mobilizou uma equipe do Bope (Batalhão de Operações Especiais) ontem (28) à tarde ao caminhar em torno do Farol da Barra, em Salvador, e atirar para o alto e contra veículos da corporação. Ele foi foi baleado por policiais após ter um “surto psicótico”, de acordo com comunicado.

A morte do soldado teve repercussão entre políticos, sendo que a manifestação da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) no Twitter gerou repúdio de opositores. A presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) escreveu uma mensagem na qual dizia que Wesley Soares Góes “foi abatido” porque “disse não às ordens de Rui Costa (governador da Bahia)”, sugerindo que o soldado havia se recusado a fiscalizar quem descumprisse as medidas de restrição impostas na cidade. A investigação ainda está em curso e não foi esclarecida a motivação de Wesley para o ato. Mais tarde, Bia Kicis apagou o tuíte e justificou, dizendo que aguardará investigação para se pronunciar novamente. Porém, outros.

Os governadores que assinaram a carta foram: Rui Costa (PT) da Bahia; Flávio Dino (PCdoB) do Maranhão; Helder Barbalho (MDB) do Pará; Paulo Câmara (PSB), de Pernambuco; João Doria (PSDB) de São Paulo; Ronaldo Caiado (Democratas) de Goiás; Mauro Mendes (Democratas) do Mato Grosso; Eduardo Leite (PSDB) do Rio Grande do Sul; Camilo Santana (PT) do Ceará; João Azevedo (Cidadania) da Paraíba; Renato Casagrande (PSB) do Espírito Santo; Wellington Dias (PT) do Piauí; Fátima Bezerra (PT) do Rio Grande do Norte; Belivaldo Chagas (PSD) do Sergipe; Reinaldo Azambuja (PSDB) do Mato Grosso do Sul e Waldez Goés (PDT) do Amapá.

Uol

Notícias relacionadas

Ao lado de Aguinaldo, prefeito pede a ministro recursos para Saúde de São José de Espinharas

Neste sábado (17) o Prefeito de São José de Espinharas, Netto Gomes (Progressistas), participou juntamente com o deputado federal e líder da Maioria no Congresso, Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) da visita…

Estados liderados por bolsonaristas encabeçam mortes por covid-19; veja posição da Paraíba

Um estudo feito pela unidade de inteligência do portal Congresso em Foco mostra que os estados que mais votaram em Jair Bolsonaro no primeiro turno das eleições presidenciais de 2018…