A Paraíba o tempo todo  |

10 anos sem Ronaldo Cunha Lima: Cássio lembra legado de ex-governador e posta homenagem

Há 10 anos a Paraíba se despedia de um dos seus grandes líderes, o ex-governador Ronaldo Cunha Lima. A morte de Ronaldo gerou toda uma comoção e uma lacuna impreenchível na política paraibana.

Os 10 anos da partida do político e poeta foram lembrados pelo ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB). Em postagem nas redes sociais, Cássio lembrou da trajetória política e do legado de Ronaldo.

“Hoje 10 anos da morte do poeta Ronaldo Cunha Lima, presença tão intensa e marcante em minha vida. Me sinto a sua paz e a sua luz todos os dias. De forma serena sinto uma doce saudade, que não faz doer nem sofrer. Às vezes me faz chorar, confesso, mas só por causa de boas lembranças. Tenho certeza, reluz viva no coração de todos os que conheceram de perto. Te amo meu pai, te amo”, escreveu Cássio.

Cássio também publicou um vídeo do ex-governador como memória do pai.

O ex-governador da Paraíba Ronaldo Cunha Lima morreu aos 76 anos na casa da família, em João Pessoa. Ele lutava contra um câncer no pulmão desde 2011. Ronaldo Cunha Lima teve uma história política de quase 50 anos e, com dezenas de livros publicados, se orgulhava de ser conhecido como ‘Poeta’.

Ronaldo José da Cunha Lima nasceu na cidade de Guarabira, Brejo paraibano, em 18 de março de 1936. Formado em Ciências Jurídicas, ele era casado com Maria da Glória Rodrigues da Cunha Lima e tinha quatro filhos: Ronaldo Cunha Lima Filho, Cássio Cunha Lima, Glauce Cunha Lima e Savigny Cunha Lima.

A história política de Ronaldo teve como palco principal a cidade de Campina Grande. Aos 23 anos ingressou na vida pública quando foi eleito vereador. Foram quase 50 anos de carreira política até a renúncia do mandato de deputado federal em 2007, último cargo público que exerceu. Ronaldo deixou o senador Cássio Cunha Lima, seu filho, como principal sucessor na política.

Ronaldo já assumiu cargos no legislativo e no executivo: foi deputado estadual por dois mandatos e em 1969 se elegeu prefeito de Campina Grande, mas teve seu mandato cassado pela ditadura militar.

Em 1982 ele foi novamente eleito prefeito da cidade, pelo PMDB, e assumiu o cargo em 1983. No ano de 1990 foi eleito governador da Paraíba, cargo que deixou em 1994 para concorrer ao Senado Federal. Foi senador e em 2002 foi eleito deputado federal. Com problemas de saúde desde 1999, quando sofreu um acidente vascular cerebral, Ronaldo ainda ficou alguns anos na vida pública e deixou o Câmara Federal em 2007, quando exercia o segundo mandato.

Conhecido como “Poeta”, Ronaldo Cunha Lima também fez carreira como escritor e teve sua trajetória no cenário cultural imortalizada quando assumiu a cadeira de número 14 na Academia Paraibana de Letras em 1994. “A paixão dele pela poesia surgiu quando ele era criança. Isto porque o avô já era um exímio soletrista”, disse o jornalista Nonato Guedes, autor do livro “A Fala do Poder – Discursos comentados de governadores da Paraíba”.

Uma de suas principais paixões de Ronaldo na Literatura era a poesia do também paraibano Augusto dos Anjos, tanto que em 1988 participou e venceu o programa Sem Limite, da Rede Manchete, que fazia perguntas sobre a vida e obra de Augusto dos Anjos. Um dos seus marcos em Campina Grande, foi a construção do Parque do Povo, que deu início ao Maior São João do Mundo.

PB Agora

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      10
      Compartilhe