Por pbagora.com.br

Se alguém perguntar pela Lei 135/2010 pouca gente saberá do que se trata, mas se o interlocutor falar em Lei da Ficha Limpa todo mundo logo identificará: é a Lei que pretendeu banir das eleições condenados por órgãos colegiados.

Dez anos depois da sua fundação, a Ficha Limpa conseguiu diminuir muito o número de candidatos sujos, mas brechas na legislação e no sistema jurídico ainda permitem que alguns driblem a barreira conquistada por um projeto de iniciativa da pressão popular.

O número de candidatos vetados pela Lei da Ficha Limpa em 2020 é o 2º mais alto desde que a regra passou a valer, em 2010.

Levantamento publicado recentemente pelo Portal G1 estima em 356 o número de candidatos com condenações no Tribunal de Contas da União na disputa.

Pelas regras, os tribunais eleitorais precisam julgar os pedidos de registros até o dia 26 deste mês, caso contrário os candidatos com contas reprovadas poderão concorrer. “Mas há risco de seus votos serem anulados posteriormente”, alerta o professor da Universidade Mackenzie e especialista em direito eleitoral Alberto Rollo.

Assim, os candidatos investem em liminares que permitem as “certidões provisórias” que garante o registro da candidatura, embora com chances de reveses jurídicos e até
dos votos serem eventualmente anulados depois das urnas.

Marcelo Crivella – No Brasil, o caso mais recente é do prefeito Marcelo Crivella (PRB), do Rio de Janeiro. Condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro a oito anos de inelegibilidade por abuso de poder político, o ex-senador conseguiu liminar do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Mauro Campbell Marques, suspendendo os efeitos da inelegibilidade.

A decisão do ministro, no entanto, tem apenas caráter liminar, portanto, o caso ainda será julgado pelo plenário do TSE, em data a ser definida, e a candidatura do bispo da
Igreja Universal pode cair.

Na Paraíba, candidata pendurada em embargos – Ex-prefeita de Cuité, na região do Curimataú, Euda Fabiana foi condenada pela Justiça Federal em Campina Grande e no
Tribunal Federal da 5å Região (Recife), por irregularidades em licitações na Prefeitura.

Pelos crimes, ela ficou proibida de contratar com o poder público e perdeu os direitos políticos por três anos. Desde então, a política percorre os labirintos da Justiça com
recursos. Tentou modificar a decisão no TRF, mas não obteve êxito em apelação julgada em março de 2018.

No Superior Tribunal de Justiça, ela também teve recurso negado. A sua defesa entrou com recursos conhecidos no meio jurídico como protelatórios e que não têm o caráter de reexaminar fatos e provas.

Em setembro passado, a ministra Assussete Magalhães, do STJ, rechaçou a tentativa de reversão da condenação, em recurso especial movido pela ex-prefeita.

Clique aqui e veja o documento

A ministra acentuou no seu voto que “a jurisprudência desta Corte é uníssona no sentido de que a revisão da dosimetria das sanções aplicadas ações de improbidade em administrativa implica reexame do conjunto fático-probatório dos autos, o que esbarra na Súmula 7/STJ, salvo em hipóteses excepcionais, nas quais, da leitura do acórdão recorrido, exsurge a desproporcionalidade entre o ato praticado e as sanções aplicadas, o que não é o caso vertente”.

Filme vem de 2018 – Na eleição de 2018, Euda Fabiana foi candidata à deputada estadual. Ela foi impugnada pela Procuradoria Regional Eleitoral.

Numa peça de 29 páginas, o procurador Vítor Veggi asseverou que “no presente caso concreto é patente que o ato de improbidade administrativa pelo qual a requerida foi
condenada deu-se de forma dolosa, não culposa, conforme se observa os fundamentos da sentença”.

Clique aqui e veja o documento

A reportagem tentou contato com a candidata, mas até a publicação da matéria as mensagens não foram respondidas, nem as ligações atendidas.

Manobras jurídicas – Essa estratégias jurídicas são comuns, relataram juristas ouvidos pelo Portal MaisPB. O objetivo é ganhar tempo e atrasar o trânsito em julgado do mérito da condenação, mesmo sob o risco do apelante ser condenado ao pagamento de multa por litigância de má fé.

No Sertão, o exemplo das substituições por parentes – Em Belém do Brejo do Cruz, para não correr o risco de ganhar e não levar, o candidato a prefeito de Belém do Brejo do Cruz, Germano Lacerda da Cunha (PSB), renunciou, semana passada, à disputa e será substituído pela nora, Elaine Salviano.

Lacerda também já havia sido condenado, em ação de improbidade administrativa, com ressarcimento ao erário. Mesmo assim, tentou registrar a candidatura, apesar de
estar inelegível até 2030, nas contas do Ministério Público Eleitoral, em Catolé do Rocha.

 

MaisPB

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Wilson Filho lança Cartilha para orientar população sobre atribuições dos vereadores

Com o objetivo de garantir à população informações para melhor escolher seus representantes nas eleições deste ano, o deputado estadual Wilson Filho (PTB) lança nesta quarta-feira (28) a ‘Cartilha de…

Em JP, Cícero garante realizar concurso público em vários segmentos

Candidato à prefeitura de João Pessoa pelo Progressistas, o ex-senador Cícero Lucena se comprometeu, se eleito, a realizar concurso público para vários setores da gestão municipal – na medida do…